FUTEBOL

Eliminado, Corinthians perde o controle e falha em teste para Libertadores

Eliminado, Corinthians perde o controle e falha em teste para Libertadores
21/09/2017 11:18 - BRUNA AQUINO


 

Com 99% de probabilidade de ir à Copa Libertadores de 2018, segundo o site especializado "Chance de Gol", o Corinthians tinha na Copa Sul-Americana uma ótima oportunidade para tirar lições para o torneio continental do próximo ano. Eliminada pelo Racing-ARG na noite de quarta-feira (20) depois de dois empates -1 a 1 em São Paulo e 0 a 0 na Argentina-, a equipe de Fábio Carille cometeu erros que não costuma exibir nos jogos do futebol nacional.

Reconhecido ao longo da temporada pela eficiência, concentração e disciplina, entre outras virtudes, o Corinthians deixou a desejar nesses aspectos em seu duelo mais duro da Sul-Americana, contra os argentinos do Racing. Pontos normalmente tidos como importantes na Copa Libertadores, em especial o equilíbrio emocional, contribuíram para a eliminação prematura, ainda nas oitavas de final.

As críticas à arbitragem uruguaia em Avellaneda foram a tônica do Corinthians, que teve Rodriguinho expulso aos 19min do segundo tempo, logo após ser acionado por Carille do banco. Nos acréscimos, foi a vez de Jô também receber o vermelho, por uma falta forte quando já tinha amarelo. As duas expulsões na Argentina são mais do que o elenco corintiano somou ao longo de toda a temporada, para se ter uma ideia. No jogo da queda, foram 25 faltas cometidas, um número anormal para equipe reconhecida no Brasileirão pela disciplina.

Esse tipo de roteiro, por sinal, é comum a eliminações do Corinthians nos torneios continentais. Foi assim diante do Tolima-COL, na Libertadores 2011, com expulsão de Cachito Ramírez. A mesma cena se repetiu em quedas contra o Guaraní-PAR, na edição 2015, com Fábio Santos e Jadson, e também no ano seguinte, para o Nacional-URU, em 2016, quando Fagner deixou o time na mão.

A concentração que normalmente também marca o time corintiano não apareceu nos jogos contra o Racing. A primeira partida, em especial, deixou lições importantes nesse aspecto. Na Arena Corinthians, os mandantes desperdiçaram ao menos três oportunidades claras para fazer um placar mais dilatado quando venciam por 1 a 0. Os argentinos, por sua vez, foram cirúrgicos: na única chance, quando a equipe de Carille já se voltava em defender o resultado, Triverio anotou. O gol sofrido em casa seria o fator determinante para a eliminação.

Na Argentina, porém, ainda apareceu um problema bem presente na equipe de Carille: a dificuldade em criar contra rivais fechados. O Racing evoluiu defensivamente em relação ao jogo em Itaquera e, com a vantagem no placar agregado graças ao gol feito em São Paulo, entregou a bola ao Corinthians. O resultado é que, em 90 minutos, os corintianos sequer conseguiram uma conclusão no gol adversário.

Ao todo, nas sete últimas partidas, o time de Carille só conseguiu anotar três gols. Um deles, que gerou muita polêmica nos últimos dias, foi marcado por Jô com o braço direito diante do Vasco. Já na Argentina, a dificuldade em criar reapareceu com atuações apagadas de Jadson e Marquinhos Gabriel, responsáveis mais diretos pela criação.

Os pontos somados no último domingo, por sua vez, é que ofereceram ainda mais estabilidade ao Corinthians no que diz respeito ao Campeonato Brasileiro. São dez de vantagem na liderança e 16 em relação ao sétimo colocado, o que constrói a enorme probabilidade de jogar a Libertadores 2017. Caso essa previsão se confirme, Carille já sabe o que seu time não poderá fazer no torneio continental do ano que vem.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".