Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

FUTEBOL 2018

Eleição de Caboclo na CBF corre risco de ser anulada pela Justiça

6 NOV 2018Por FOLHAPRESS21h:15

 A eleição de Rogério Caboclo para presidente da CBF corre risco de ser anulada. Até o final do mês, uma ação proposta pelo Ministério Público que contesta mudança no colégio eleitoral da entidade poderá ser destravada no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e desencadear na anulação do pleito realizado em abril.

O Ministério Público argumenta que a confederação não respeitou os princípios de publicidade e transparência, previstos no Estatuto do Torcedor, já que os clubes da Série A não foram convocados para a assembleia que reduziu sua representatividade nas eleições da entidade.

A CBF, no entanto, entrou com recurso na Justiça alegando que o estatuto não se aplica a regras internas da entidade e, por isso, não pode ser usado para questionar a alteração no colégio eleitoral.

Na última quinta-feira (1º), o desembargador Juarez Fernandes Folhes determinou que a 19ª Câmara Cível julgue o recurso da CBF. O caso deverá ser apreciado no dia 27 de novembro.

Se os desembargadores entenderem que o estatuto se aplica às práticas da CBF, a questão será encaminhada para o Juizado do Torcedor. A ação que contesta a legalidade da eleição de Caboclo, então, deverá ser julgada em menos de uma semana.

O Ministério Público alega também que a inclusão de pesos diferentes no pleito foi uma forma do atual grupo político que comanda a CBF manter o poder das federações na eleição, em desacordo com o objetivo da legislação que obrigou a participação dos clubes da Série B na eleição: dar maior protagonismo aos clubes na entidade.

Em março do ano passado, a CBF incluiu os 20 clubes da Série B do Campeonato Brasileiro no colégio eleitoral, mas atribuiu pesos diferentes aos participantes. Numa reunião que contou apenas com representantes das 27 federações, os 20 times das Séries A tiveram sua participação no colégio eleitoral reduzida para a entrada dos times da Série B, sem alterar a participação das federações.

O voto das federações ganhou peso três. Já o dos times da Série A ficou com peso dois. O voto dos clubes da B vale apenas um. Com isso, as entidades estaduais contam com 81 votos. Já os 40 Clubes das Série A e B têm, somados, 60 votos.

Mensalmente, cada federação recebe R$ 75 mil dos cofres da entidade, que tem Caboclo como principal executivo atualmente.

Para formar a sua chapa, Caboclo colocou apenas cartolas ligados às federações. Ele deixou os clubes e personalidades do esporte fora da sua chapa.

A lista de vices conta até com dirigentes folclóricos, como o presidente da Federação de Futebol do Acre, Antônio Aquino Lopes, o Toniquim. Ele comanda o modesto futebol da sua região desde 1984.

Com o apoio de 25 das 27 federações ao homologar sua chapa, ele inviabilizou a oposição. Para registrar candidatura na CBF, o postulante ao cargo precisa ter o apoio de oito federações e cinco clubes.
Candidato único na eleição da CBF, o paulista venceu com facilidade. Apenas Corinthians, Flamengo e Atlético-PR não votaram em Caboclo.

O futuro presidente da CBF obteve a vitória após receber o apoio de Marco Polo Del Nero, afastado o comando da entidade desde dezembro. Sem chance de continuar no comando da CBF, Del Nero apressou o processo para fazer o seu substituto.

Acusado pelo FBI de receber propina na venda de direitos de torneios, o ex-presidente da entidade foi banido pela Fifa logo após a vitória de Caboclo. Ele nega as acusações.

Se o Ministério Público conseguir que os clubes sejam maioria no pleito, a CBF terá que realizar nova eleição. A entidade terá até abril, quando termina o atual mandato, para escolher o seu novo comandante.
Enquanto isso, a confederação é comandada pelo paraense Antonio Carlos Nunes, vice de Del Nero.

Em caso de nova eleição, Caboclo deverá enfrentar um adversário indicado pelos clubes.

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, tentou viabilizar sua candidatura no início do ano para concorrer com Caboclo, mas não teve sucesso na ocasião.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também