TÊNIS

É melhor ser rival que amiga de Serena, diz Sharapova em biografia

É melhor ser rival que amiga de Serena, diz Sharapova em biografia
12/09/2017 13:36 - FolhaPress


 

Em biografia que será lançada nesta terça-feira (12), Maria Sharapova detalha a rivalidade com Serena Williams no circuito profissional de tênis. De acordo com a russa, o antagonismo motiva as duas tenistas de modo que se torna melhor que uma possível amizade entre ambas.

"Serena e eu deveríamos ser amigas: amamos a mesma coisa e temos a mesma paixão. Poucas pessoas no mundo sabem o que a gente sabe: como é se sentir no meio dessa tempestade, o medo e a raiva que te guiam, como é ganhar e como é perder. Mas não somos amigas, realmente não somos", conta Sharapova, segundo reportagem do jornal americano "The New York Times", que teve acesso previamente à biografia da tenista.

"Acho que, de algum modo, motivamos uma à outra. Talvez isso seja melhor do que sermos amigas. Talvez isso seja o necessário para ativarmos nossa fúria de maneira adequada. Só quando você tem esse intenso antagonismo você consegue achar força para derrota-la. Algum dia, quando isso estiver no passado, talvez sejamos amigas, ou não. Você nunca pode saber", completou.

No primeiro duelo disputado entre as tenistas, disputado em 2004, em Wimbledon, Sharapova saiu vencedora. Segundo a russa, a derrota teria motivado Serena a vencer 19 dos outros 20 duelos entre as duas.

"As pessoas falam sobre a força da Serena, seu saque e sua confiança, como o jogo dela se encaixa contra meu jogo, e, claro, tem verdade em tudo isso. Mas para mim, a resposta real estava lá, naquele vestiário, quando eu estava me trocando e ela estava berrando. Acho que Serena me odiou por ser a criança magra que a venceu, contra todas as possibilidades, em Wimbledon", opinou a russa.


 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".