Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SÃO PAULO

De volta ao Z4, São Paulo se agarra à eficiência na bola parada

21 AGO 17 - 10h:53FolhaPress

O São Paulo voltou à zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro no último domingo (20). Empatou por 1 a 1 com o Avaí na Ressacada, em Florianópolis, e foi ultrapassado pela Chapecoense, que bateu o Palmeiras em São Paulo -a Chape ainda enfrentará o Corinthians na quarta-feira (23), em Chapecó, em partida que havia sido adiada.

A situação do time do Morumbi no certame nacional é ruim, mas poderia ser ainda pior. Em busca de uma sequência que afaste a ameaça de descenso para a segunda divisão, a equipe tricolor tem motivos suficientes para apostar na bola parada.

Foi assim, a partir de bola parada, que o São Paulo anotou oito de seus últimos dez gols no Campeonato Brasileiro. A sequência coincide com o retorno de Hernanes -revelado no Morumbi, o meio-campista voltou ao time paulista nesta temporada e tem cinco gols em cinco partidas. "Quanto à minha chegada, acho que não foi só isso. É um conjunto", ponderou o jogador em entrevista coletiva no último domingo, em Florianópolis.

Desde a entrada de Hernanes no time, o São Paulo marcou com a bola rolando apenas no jogo contra o Botafogo -vitória por 4 a 3 no Rio de Janeiro, com virada nos minutos finais. Marcos Guilherme anotou após lançamento longo, e o próprio Hernanes também balançou as redes num lance que não surgiu com a bola parada.

Os seis gols que o São Paulo anotou em sequência surgiram de pênalti (três), escanteio (dois) e falta (um). Graças a esse expediente os paulistas construíram os quatro pontos conquistados no segundo turno do Campeonato Brasileiro (três contra o Cruzeiro e um contra o Avaí).

"Nós temos de fazer uma análise geral e perceber que quatro pontos em dois jogos... não tem mamata, irmão. É sempre jogo duro", ponderou Hernanes.

Por um lado, os gols de bola parada mostram que o São Paulo ganhou força no fundamento -tem um cobrador mais eficiente e tem conseguido se aproveitar disso. Por outro, há uma questão sobre o deserto criativo da equipe tricolor.

Esse, aliás, é um dos principais pontos que o técnico Dorival Júnior tem a resolver ainda em 2017. Contratado para substituir Rogério Ceni, que estava na equipe desde o início da temporada, o comandante tricolor chegou a nove partidas no último domingo e agora soma três vitórias, três empates e três derrotas (aproveitamento de 44,44%). Seu antecessor tinha 49,5% em seis meses (14 vitórias, 13 empates e dez derrotas).

No Brasileiro, Ceni obteve apenas 33,3% de aproveitamento (três vitórias, dois empates e seis derrotas). O empate contra o Avaí fez com que o São Paulo de Dorival superasse a campanha do antigo treinador no Nacional, mesmo com menos jogos (11 contra nove).

O São Paulo de Dorival, portanto, é superior ao desempenho de Ceni no Brasileiro, mas ainda está longe de ser uma equipe regular ou transmitir confiança. A ameaça de rebaixamento ainda existe, e o principal motivo para ela não ser maior é que, graças a Hernanes, a bola parada pode salvar.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Com adversário indefinido, Seleção desembarca em Porto Alegre
COPA AMÉRICA 2019

Com adversário indefinido, Seleção desembarca em Porto Alegre

VÔLEI

Brasil vence Rússia e avança à fase final da Liga das Nações

Jogos de hoje definem adversário do Brasil nas quartas de final
COPA AMÉRICA 2019

Jogos de hoje definem adversário do Brasil nas quartas de final

TORNEIO MUNDIAL

Filipe Toledo conquista bicampeonato no mundial de surfe em Saquarema

Vitória elevou Felipe ao 3º lugar no ranking mundial

Mais Lidas