Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EX-PRESIDENTE DA CBF

CPI vai pedir a quebra de sigilo bancário e fiscal de José Marin

Marin foi preso na Suiça acusado de receber suborno
26/08/2015 14:39 - FOLHAPRESS


 

A CPI do Futebol vai votar o pedido da quebra de sigilo fiscal e bancário do ex-presidente da CBF José Maria Marin, preso na Suíça acusado de receber suborno de empresas de marketing esportivo para fechar acordos comerciais de direitos de torneios como a Libertadores e a Copa do Brasil.

O pedido é que seja investigado o período de 2012 a maio de 2015, período que Marin presidiu a CBF.

O requerimento está assinado pelo vice-presidente da CPI, o senador Paulo Bauer (PSDB-SC) -a comissão é presidida pelo senador Romário (PSB-RJ), campeão do mundo com a seleção em 1994.

Em junho, a Folha de S.Paulo revelou que Marin gastou R$ 15,4 milhões em três imóveis antes de deixar a CBF

Em 2014, ano da Copa do Mundo, o cartola comprou três imóveis no eixo Rio-São Paulo: uma mansão no Jardim Europa, um conjunto na avenida Paulista e uma cobertura de frente para a praia da Barra da Tijuca -todos por valores abaixo do mercado.

Nos negócios, optou por não pôr os bens no seu nome. Preferiu usar uma de suas empresas, a JMN Empreendimentos e Participações Ltda., para registrar as propriedades.

DEL NERO NA MIRA

A CPI já aprovou a quebra de sigilo fiscal e bancário do atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e do empresário Wagner Abrahão, que tem contratos com a CBF.

Em abril, a Folha revelou que Del Nero comprou de Abrahão por R$ 5,2 milhões cobertura dúplex de mais de 300 metros quadrados na Barra da Tijuca, zona nobre do Rio.

O apartamento pertencia a uma empresa dos filhos de Abrahão. O empresário morava lá.

Del Nero e Abrahão negam haver conflito ético na negociação.

Felpuda


Nos bastidores poderosos, comentários são de que dois pretensos pré-candidatos estão deixando em polvorosa quem tinha quase certeza de que tudo estava em total “céu de brigadeiro”. Assim, enquanto ambos se movimentam aqui e acolá, o lado de lá está pensando no que fazer para evitar futuro confronto. Vale ressaltar que a dupla tem experiência que só no campo de guerra das eleições – e o desempenho não ficou a desejar.