Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

JOGOS

COB fica com 12% do patrocínio da Olimpíada de 2016 no Rio

A entidade pode receber mais de R$ 340 milhões dos recursos

10 AGO 2015Por FOLHAPRESS14h:22

O comitê organizador da Olimpíada de 2016 vai repassar 12% do patrocínio obtido nos Jogos para o COB (Comitê Olímpico do Brasil). A entidade pode receber mais de R$ 340 milhões dos recursos que ajudariam a custear a operação do evento.

A "mordida" no patrocínio, principal fonte de receita do comitê, pode ser paga pelo contribuinte. Por lei, qualquer resultado negativo na entidade será coberto com dinheiro da União, do Estado do Rio e do município.

A transferência de recursos entrou na mira do TCU (Tribunal de Contas da União). O tribunal teme que o volume transferido ajude a provocar um déficit no orçamento do comitê organizador dos Jogos e decidiu monitorar nos repasses.

O valor é mais de 13 vezes o transferido pelo comitê organizador da Olimpíada de Londres-12 para a Associação Olímpica Britânica.

O TCU aponta "conflito de interesse" por parte de Carlos Arthur Nuzman, que preside tanto o COB como a entidade que organiza os Jogos.

O comitê organizador disse que o repasse não vai desequilibrar seu orçamento.

Afirmou também ser importante para o evento que o COB tenha estrutura para ajudar num bom desempenho dos atletas brasileiros. Resultados positivos do país-sede, diz, ajudam a aumentar o interesse no evento.

O COB disse em nota que a taxa foi decidida "em acordo entre as duas entidades, que possuem assembleia e comitês executivos próprios".

MORDIDA GORDA

O repasse de verba de marketing do comitê organizador (responsável por organizar o evento) para o comitê olímpico do país-sede (formador de atletas) é comum nos Jogos.

É uma forma de compensar a entidade esportiva pela queda na obtenção de patrocínios próprios. O COB não pode vender cotas de marketing nos anos anteriores à Olimpíada para evitar apoiadores concorrentes aos do comitê organizador. A captação própria se encerrou em 2011.

Mas a proporção do repasse no Brasil chama atenção.

Em Londres-12, a Associação Olímpica Britânica recebeu R$ 25 milhões (em valores atualizados) do patrocínio arrecadado para os Jogos. O valor refere-se a 5% do obtido pelo marketing do comitê organizador que excedeu US$ 815 milhões (R$ 2,8 bilhões).

A associação não ficou satisfeita e pede mais. A disputa está nos tribunais.

O repasse do comitê organizador é feito desde 2011 e ajudou a engordar a receita do COB com patrocínios. Enquanto em 2010 essa fonte foi de R$ 9,7 milhões (em valores corrigidos), ela chegou a R$ 69 milhões no ano passado, segundo balanço do comitê olímpico.

O COB já registrou em seus balanços saldo de R$ 121,6 milhões dos repasses -nem tudo foi depositado porque há uma dívida a ser apurada.

Como a Rio-2016 prevê obter R$ 3,5 bilhões em patrocínio, o repasse em dinheiro, produtos e serviços pode superar R$ 340 milhões -após atingir R$ 186 milhões, a mordida do COB cai para 8%.

O comitê organizador negou haver "conflito de interesses" na acumulação de cargos por parte de Nuzman. Afirmou que a decisão sobre o percentual de repasse foi submetida ao Conselho Executivo da entidade.

O comitê organizador prevê uma receita total de R$ 7,4 bilhões com patrocínios, venda de ingressos, licenciamento de produtos, entre outros.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também