Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

quinta, 21 de fevereiro de 2019 - 19h00min

ESPORTES

COB cria canal para que atletas possam denunciar abuso moral e sexual

3 DEZ 18 - 23h:15AGÊNCIA BRASIL

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) lançou hoje (3) um canal para receber denúncias de casos de assédio e abuso moral e sexual. A iniciativa foi lançada no auditório da sede da entidade, no Rio de Janeiro, quando também foram reunidos os funcionários para uma palestra informativa e educativa.

O canal poderá ser utilizado por atletas, integrantes das delegações brasileiras nas competições internacionais, funcionários e membros das diversas instâncias do COB, prestadores de serviço e voluntários. As denúncias serão levadas para o Conselho de Ética da entidade, que poderá julgar cada caso e aplicar punições em caso de procedência.

O processo será conduzido com base no Código de Conduta Ética, lançado em junhodesse ano, após diversos atletas denunciarem casos de abuso sexual envolvendo o ex-técnico da seleção brasileira masculina de ginástica artística, Fernando de Carvalho Lopes. O código estabelece as consequências para atos antiéticos.

Os acusados terão direito à ampla defesa. Se foram considerados culpados, poderão sofrer sanções que vão de multa até a expulsão do esporte olímpico. Outras punições previstas são a proibição de acesso aos locais de competição ou de participar de qualquer atividade de esporte olímpico por até 10 anos; advertência reservada ou pública; suspensão por cinco anos; e perda de mandato, no caso dos dirigentes esportivos.

O canal para as denúncias está acessível por meio do site da Ouvidoria do COB e pelo telefone 0800-892-2295. Também será possível apresentar queixa presencialmente na sede da entidade. O denunciante deverá procurar William Evangelista da Silva, líder de conformidade do COB. Além disso, durante as competições esportivas, o chefe de missão terá plenos poderes para receber as denúncias e aplicar penalidades que estiverem a seu alcance.

A iniciativa integra a Política de Combate e Prevenção ao Assédio e Abuso Moral e Sexual, que foi construída tendo como uma das referências um documento voltado para a proteção de atletas lançado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) em novembro de 2017.

O COB informou em nota que a iniciativa busca valorizar a ética e a integridade e que reforça o compromisso com um ambiente saudável no esporte. "A Política de Combate e Prevenção ao Assédio e Abuso Sexual define também uma cartilha sobre o tema para ser entregue aos participantes das reuniões de comissão de atletas, conselho de administração e presidentes de confederações", informa o texto.

As 35 confederações das variadas modalidades esportivas filiadas ao COB serão convidadas a assinar o Termo de Adesão às Ações Propostas para a Prevenção ao Abuso e ao Assédio Sexual no Ambiente Esportivo. A adesão, no entanto, não é obrigatória, e deve ser decidida por cada entidade.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Operário empata fora de casa com  o Sete e assume a vice-liderança
ESTADUAL

Operário empata com o Sete e assume a vice-liderança

Campeã olímpica lança projeto  para 120 crianças nas Moreninhas
VÔLEI

Campeã olímpica lança projeto para 120 crianças na Capital

Ministério Público rejeita proposta do Flamengo para indenizar vítimas
INCÊNDIO NO CT

Ministério Público rejeita proposta do Flamengo para indenizar vítimas

Operário visita o Sete  para encostar no líder
ESTADUAL

Operário visita o Sete para encostar no líder

Mais Lidas