CAMPEONATO

Brasil segue sem medalhas no Mundial de Luta Olímpica

O brasileiro Diego Romanelli venceu sua estreia, mas caiu na luta seguinte em Las Vegas
09/09/2015 17:03 - gazeta esportiva


 

O Brasil segue longe das disputas por medalhas no Mundial de Luta Olímpica, realizado em Las Vegas, nos Estados Unidos. Na noite da última terça-feira, os atletas nacionais até conseguiram suas primeiras vitórias na competição, mas Diego Romanelli, da categoria greco-romana até 59kg, e o armênio naturalizado brasileiro Eduard Soghomonyan (até 130kg) ficaram no meio do caminho rumo às Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Romanelli estreou com tranquila vitória sobre Kemmy Betwel, das Ilhas Marshall, por 8 a 0. Na sequência, porém, foi derrotado pelo norueguês Stig-Andre Berg por 10 a 2. Como seu algoz caiu na luta seguinte, o brasileiro não ganhou o direito de disputar a repescagem.

Já Eduard começou o Mundial vencendo o compatriota armênio Edgar Khachatryan por 4 a 2. No combate seguinte, Murata Ramonov, do Quirguistão, superou o lutador que defende o Brasil por 6 a 1. Ramonov perdeu nas quartas de final e acabou impedindo Eduard de seguir na repescagem.

O Brasil volta à luta nesta quarta-feira, último dia da categoria greco-romana até 85kg, com Ronisson Santiago representando o País. A mesma data marca também a estreia do estilo livre feminino. Kamila Barbosa disputa pela primeira vez o torneio na categoria até 48kg e enfrenta a ucraniana Nataliya Pulkovska. O confronto Brasil e Ucrânia se repete também na categoria até 53kg, com Giullia Penalber, oitavo lugar em 2014, mede forças com Lilya Horishna. Entre os atletas com até 69kg, Gilda Oliveira, campeã dos Jogos Sul-Americanos em 2014, encara Daynara Riverda, de Porto Rico. As eliminatórias começam às 14 horas e as finais às 22h30, respeitando o horário de Brasília.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".