Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FUTEBOL

Atual gestão deixará Cruzeiro em maio após retirada de candidatura por Brandi

A posse do próximo presidente do Cruzeiro está agendada para 31 de maio.
05/04/2020 00:00 - Estadão Conteúdo


A passagem pela gestão do Cruzeiro dos membros do Núcleo Dirigente Transitório, grupo de empresários que assumiu o comando do clube no fim de 2019, chegará ao fim em maio. Afinal, Emílio Brandi, um dos seus membros, decidiu retirar a candidatura à presidência da equipe, agendada para 21 de maio.

A posse do próximo presidente do Cruzeiro está agendada para 31 de maio. E ele deverá ser Sérgio Santos Rodrigues, que agora se tornou o único candidato para a eleição de um mandato "tampão", que terminará ao fim de 2020. O clube já tem outra votação, agendada para outubro, em uma gestão que irá de janeiro de 2021 até dezembro de 2023.

Brandi é o responsável pela gestão das áreas comercial e administrativa do Cruzeiro. E o plano do Núcleo Dirigente Transitório era de que ele ficasse à frente da presidência até o fim do ano. Mas o fato de a existir outra candidatura ao cargo levou o grupo a desistir da disputa.

A eleição presidencial do Cruzeiro, porém, ainda está em dúvida, por causa do surto de coronavírus. Santos Rodrigues defende que ela seja virtual caso não haja possibilidade de a votação ocorrer na sede do clube, mas essa possibilidade já foi rejeitada por Saulo Fróes, o atual presidente.

A gestão do Núcleo Dirigente Transitório teve início em 23 de dezembro, após a renúncia da administração Wagner Pires de Sá. O time enfrenta graves problemas financeiros e foi rebaixado à Série B do Campeonato Brasileiro em 2019.


 

 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?