Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Jogos Olímpicos de 2016

Baía de Guanabara recebe 380 velejadores em evento-teste para 2016

16 AGO 15 - 04h:00Agência Brasil

Trezentos e oitenta atletas de 55 países participam a partir de hoje (15) da Regata Internacional de Vela, segundo evento-teste da modalidade para os Jogos Olímpicos de 2016. As competições começaram às 13h e vão até o próximo dia 22, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

As modalidades RS:X para homens, RS:X para mulheres, laser (masculino) e laser radial (feminino) iniciaram a competição neste sábado. Os atletas vão velejar nas raias da Ponte Rio-Niterói e da Escola Naval. A partir de amanhã, também haverá regatas 470 masculino, 470 feminino, 49er (masculino), 49er FX (feminino), Finn (masculino) e Nacra 17 (em que a dupla é formada por um homem e uma mulher).

No total, o evento tem seis raias. Além da Ponte e da Escola Naval, há as raias do Pão de Açúcar, de Niterói, Copacabana e da Ilha do Pai (na entrada da baía).

O espanhol Iker Martinez, da classe Nacra 17, disse que vai aproveitar o evento-teste para conhecer a Baía de Guanabara. “Já estamos há várias semanas treinando dentro e fora da baía. A baía é espetacular, creio que seja uma das mais bonitas do mundo, mas às vezes é muito difícil, porque há muitas correntes”, disse o atleta europeu.

Mas, apesar de elogiar a beleza do cenário, Martinez se mostrou preocupado com a qualidade da água, pois a baía recebe esgoto não tratado de vários municípios próximos. “Sem dúvida, a água poderia estar mais limpa. Eu me preocupo que a baía tenha uma boa saúde. Como velejador, me preocupa o meio ambiente. Há gente que ficou doente, não sei se é por causa da água ou por causa da comida. Não sou especialista e não posso julgar. A mim, pessoalmente, gostaria que a água estivesse mais limpa.”

Outro atleta da Nacra 17, o neozelandês Jason Saunders disse que também gostaria que a água estivesse mais limpa, mas afirmou que a qualidade da água não tirará seu foco da competição. “A gente veio aqui para competir e não podemos mudar a situação [da baía]. Então, vamos até lá, dar o melhor da gente, nas condições que nos são oferecidas.”

Já a americana Sarah Newberry, da mesma modalidade, disse não ter nada a reclamar da Baía de Guanabara. “Cada raia é totalmente diferente das demais. A condição da água está boa. Não tivemos nenhum problema até agora. Até o momento ninguém ficou doente. Sinto que fizemos o melhor na nossa preparação para estar aqui e vamos nos focar em fazer bem o nosso papel.”

Segundo o secretário estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, André Corrêa, em todas as raias, as águas estão dentro de padrões aceitáveis. "Está tudo muito bem e não há qualquer informação sobre a interferência de resíduos [sólidos flutuantes]. As coisas caminham muito bem."

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Após frieza paulista, Brasil crê em calor baiano pela classificação
COPA AMÉRICA 2019

Após frieza paulista, Brasil crê em calor baiano pela classificação

Com Marta, Brasil encara Itália para garantir vaga
COPA DO MUNDO FEMININA 2019

Com Marta, Brasil encara Itália para garantir vaga

Chile se acerta e abre sua Copa América com goleada sobre o Japão
FUTEBOL 2019

Chile se acerta e abre sua Copa América com goleada sobre o Japão

Noruega, Espanha e China estão nas oitavas de final
COPA DO MUNDO FEMININA

Noruega, Espanha e China estão nas oitavas de final

Mais Lidas