Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 18 de novembro de 2018

Pesquisa

Vendas do comércio fecham
com queda de 2,5% no Estado

No acumulado dos últimos 12 meses, retração no varejo chegou a 5,6%

14 JUN 2017Por Renata Prandini04h:00

O comércio varejista de Mato Grosso do Sul fechou o primeiro quadrimestre com queda nas vendas. Somente no mês de abril,  houve um recuo nas vendas de 2,5% em comparação com mês anterior, segundo apontou Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Conforme o levantamento, o comércio encerrou o mês de abril com 86,3 pontos, contra 89,7 que haviam sido registrados em março. No acumulado dos últimos 12 meses, o resultado é ainda maior, 5,6%. Consequentemente, houve queda na receita, que registrou variação mensal negativa em 1,7%  (índice de 103,8).

O comportamento apresentado pelo comércio varejista  sul-mato-grossense foi diferente do registrado no País, que fechou o quadrimestre com alta nas vendas. Conforme a pesquisa, as vendas do comércio varejista subiram 1% em abril na comparação com março e 1,9% em relação ao mesmo período do ano passado. É a melhor alta registrada no mês de abril em 9 anos. Os setores de supermercados e vestuário impulsionaram o crescimento. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). As informações são da Agência Brasil.

O crescimento de abril acontece depois de dois meses consecutivos de queda, período em que acumulou retração de 1,6%. Apesar do crescimento de março para abril, as vendas do comércio fecham os primeiros quatro meses do ano com queda acumulada em termos de volume de vendas de 1,6% frente a igual período do ano passado, mas com crescimento de 1,5% no mesmo período em relação à receita nominal do setor.
Embora tenha registrado queda no mês de abril, nos acumulados do ano e dos últimos 12 meses, a receita nominal permanece com variação positiva, de 0,6% e 1,5%, respectivamente.

Reportagem completa está na edição de hoje do Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também