Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

INFLAÇÃO

Valor da cesta básica em Campo Grande teve alta de 15,4% em 2018

Índice é resultado da média obtida em 12 meses

8 JAN 19 - 16h:47ALINE OLIVEIRA

A pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), apontou que em 2018,  a alta mais expressiva em 18 capitais pesquisadas foi registrada em Campo Grande, com 15,46%. 

A alta diz respeito a comparação entre os meses de dezembro de 2017 e 2018, seguida de Brasília (14,76%) e Belo Horizonte (13,03%). Em contrapartida, as cidades com registro de menores percentuais foram Recife (2,53%) e Natal (3,09%).

Em 2018, entre os meses de novembro e dezembro, o valor da cesta subiu em 15 cidades, com destaque para  Goiânia (5,65%), Salvador (4,13%) e Natal (2,77%). As quedas foram observadas em três capitais: Fortaleza (-3,48%), Vitória (-1,17%) e São Luís (-0,40%).

Já em dezembro, o maior custo do conjunto de bens alimentícios básicos foi apurado em São Paulo (R$ 471,44), seguido por Rio de Janeiro (R$ 466,75), Porto Alegre (R$ 464,72) e Florianópolis (R$ 457,82). Os menores valores médios foram observados em Recife (R$ 340,57), Natal (R$ 341,40) e Salvador (R$ 343,82).

ITENS MAIS CAROS

Os alimentos que mais contribuíram para alta, pelo menos no mês de dezembro, foram o leite integral, tomate, pão francês, carne bovina de 1ª, arroz agulhinha e batata. Estes itens apresentaram aumento na maior parte das cidades pesquisadas, na comparação com dezembro de 2017. 

Com relação ao aumento de preço da carne bovina, a elevação aconteceu em 15 capitais, entre elas Campo Grande, com média de 9,54%. Retração foi registrada em Florianopólis ( -1,79%), Belém (-1,51%) e São Luís (-0,53%). Um dos principais fatores para a elevação de preços foi o crescimento das exportações brasileiras no segundo semestre do ano. 

Na variação mensal, os alimentos acumularam alta de 0,49%, o que significou um custo de R$ 422,88 - uma variação de R$ 2,08 em relação ao valor despendido em novembro. O valor médio destinado à compra de uma cesta na capital de Mato Grosso do Sul foi de R$ 387,98. 

O nível de comprometimento do salário mínimo líquido (2018) para aquisição dos 13 itens de alimentação registrou aumento em 0,24 pontos percentuais, uma vez que o índice passou de 47,94% em novembro, para 48,18% em dezembro. 

*Com informações da Assessoria DIEESE

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

"Concorrência pressiona aumento na bomba", afirma Sinpetro
REAJUSTE COMBUSTÍVEIS

"Concorrência pressiona aumento", afirma Sinpetro

Empresários defendem que preço precisa cobrir custos de transporte
PREÇO TABELADO

Preço mínimo do frete tem que cobrir custos de transporte

MINISTRO DA ECONOMIA

Plano de Guedes para gás mais barato encontra resistência na Petrobras

Ele tem prometido dar um "choque de energia barata"
Em MS, 212,5 mil contribuintes ainda não declararam Imposto de Renda
ÚLTIMOS DIAS

Em MS, 212,5 mil contribuintes ainda não declararam Imposto de Renda

Mais Lidas