ECONOMIA

Tereza Cristina apresenta oportunidades de investimento aos árabes

Tereza Cristina apresenta oportunidades de investimento aos árabes
22/09/2019 12:35 - ESTADÃO CONTEÚDO



A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, apresentou neste domingo à comunidade árabe possíveis oportunidades de comércio e investimentos no Brasil. Durante seminário na Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, em Dubai, a ministra destacou possibilidades em toda a cadeia produtiva do agronegócio, além de projetos de infraestrutura, como ferrovias e rodovias.

Na apresentação, o presidente da Câmara Árabe-Brasileira, Rubens Hanun, disse que a peregrinação de Tereza Cristina pelos países árabes vai contribuir para o crescimento dos negócios com o Brasil. O principal destaque da visita da ministra até o momento foi a abertura do mercado egípcio para lácteos.

A ministra está em missão no Oriente Médio desde 11 de setembro, participando de encontros com autoridades do mundo árabe com o objetivo de fortalecer a parceria comercial com os países. A relação com os árabes ficou estremecida em abril, quando o governo de Jair Bolsonaro, em alinhamento com Israel, anunciou ter intenções de criar um escritório comercial em Jerusalém, cidade historicamente disputada por palestinos e judeus.

Após o mal-estar, Bolsonaro ofereceu um jantar a embaixadores de países árabes para apaziguar os ânimos e deve visitar o Golfo Pérsico em outubro. Em 2018, as exportações agropecuárias para 55 países árabes somaram US$ 16,13 bilhões, correspondente a 19% do total das vendas externas do agronegócio brasileiro.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".