Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

goela abaixo

Temer diz entender reação de empresários, mas que decisão será compreendida

21 JUL 2017Por FOLHAPRESS22h:00

O presidente Michel Temer disse nesta sexta (21), ao final da Cúpula do Mercosul, que "entende a reação da Fiesp" ao aumento dos impostos cobrados sobre os combustíveis anunciado na quinta (20).

Ele afirmou, no entanto, não acreditar que a posição dos empresários possa ter um impacto político.

"A reação deles é natural, ninguém quer tributo. Na verdade, quando todos compreenderem o motivo, que esse imposto é fundamental para incentivar o crescimento, para manter a meta fiscal, alcançar a estabilidade do país, essa matéria será superada. Estamos dialogando, e creio que todos compreenderão."

Em resposta ao aumento na tributação sobre combustíveis, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) resgatou o pato, símbolo da campanha contra a recriação da CPMF em 2015 e dos protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Temer acrescentou que, por enquanto, não há previsão de aumentar outros impostos.

"Quando chegamos ao governo, estávamos com a síndrome da CPMF, todos achavam que nós iríamos voltar com a CPMF. Nós não o fizemos, agora, meses depois, viemos com esse aumento, que é apenas dos combustíveis."

Na quinta, ao chegar a Mendoza, Temer já havia dito que "a população brasileira irá compreender [o aumento de impostos], "porque este é um governo que não mente, que não dá dados falsos".

BENEFICIAR O BOLSO

Também na quinta, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o aumento de tributos era a única saída no momento para elevar as receitas do governo, que vêm diminuindo com a recessão.

"Tudo o que fazemos é para beneficiar o bolso do cidadão. Ganhando mais, com emprego e com menos inflação", disse. "A inflação está reagindo bem, está caindo bastante. O momento em que se poderia fazer essa medida era agora, quando há espaço ainda na inflação, com previsão de ficar abaixo da meta."

Leia Também