Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ALÍVIO PARA O GOVERNO

Sob nova direção, termelétrica é esperança de MS driblar crise do gás

Empresa vai gerar impostos e empregos, além de comprar gás de estatal sul-mato-grossense

13 NOV 19 - 14h:09RICARDO CAMPOS JR.

A termelétrica Willian Arjona passou oficialmente para as mãos do grupo Delta nesta quarta-feira (13). O empreendimento deve começar a funcionar novamente no segundo semestre de 2020 comprando a matéria-prima da MSGÁS, tornando-se um dos principais clientes da estatal e ajudando a aliviar as contas do governo pela geração de impostos.

“Esse tipo de usina dá estabilidade ao setor energético brasileiro porque não depende de sazonalidades climáticas. A hidrelétrica depende das chuvas e níveis de reservatórios, a eólica depende da força dos ventos e a solar depende da radiação dos raios solares. A térmica é uma energia constante. Com ela, nosso estado se torna mais competitivo”, disse o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

A Willian Arjona, que deve mudar de nome a partir de agora, será a primeira termelétrica da Delta. A usina tem capacidade instalada de 190 MW.

“Foi uma questão de oportunidade. A usina estava por conta de decisão da Engie em processo de descarbonização da matriz energética, colocou à venda e a Delta, que já está inserida no setor de energia, achou conveniente adquirir”, disse o diretor-presidente da companhia, Marconi Melquíades de Araújo.

A termelétrica deve se tornar uma das principais clientes da MSGAS. “Esse investimento é importante para o estado. Eles vão recuperar a turbina e equipamentos e paralelamente farão uma negociação para o fornecimento de gás para eles. Temos tempo para isso, esse tempo é necessário. O governo tem feito isso com outros empreendedores: ser o articulador para a compra de gás. Quando estiver operando, consumir 1,3 milhão de metros cúbicos por dia. Isso é muito gás. Entra ICMS e tem um aumento de mão de obra considerável”, disse o diretor-presidente da estatal, Rudel Trindade.

CRISE NA BOLÍVIA

A renúncia do presidente Evo Morales após denúncia de fraude nas eleições não incomoda nenhum pouco a nova dona da Willian Arjona nem o governo. Isso porque o fornecimento do gás é baseado em contratos e todos acreditam que o país vizinho irá honrá-los.

Outro ponto é a dependência que eles têm desses acordos comerciais da matéria-prima energética, uma grande fonte de renda para os bolivianos.

“Acho que com a renúncia do Evo, a posse da presidente interina a gente volte a uma estabilidade. Volta ao espírito da democracia. O Brasil é um grande consumidor do gás boliviano. Não vejo ruptura nem quebra contratual. A Bolívia é dependente da compra do gás natural”, disse Reinaldo Azambuja.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Excesso de emendas desfigura reforma da previdência
SERVIÇO PÚBLICO

Excesso de emendas desfigura reforma da previdência

Prefeitura garante pagamento do 13º salário no dia 20
SERVIDORES MUNICIPAIS

Prefeitura garante pagamento do 13º salário no dia 20

ECONOMIA

Dólar recua para R$ 4,18 e tem menor nível desde 13 de novembro

Alta no preço da carne alavanca aumento da cesta básica
CAMPO GRANDE

Alta no preço da carne alavanca aumento da cesta básica

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião