Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

FRIGORÍFICOS

Setor reage e exportações de carne bovina superam R$ 2 bilhões

Mesmo com embargos e Operação Carne Fraca, vendas tiveram alta de 6,6%

11 JAN 19 - 05h:00ROSANA SIQUEIRA E EDUARDO FEGATTO

A cadeia da carne bovina superou um ano difícil para o setor e ainda fechou as contas no positivo. Mesmo com as operações deflagradas pela Polícia Federal, como a Carne Fraca, escândalos em grandes grupos frigoríficos e embargos à exportação de carne em Mato Grosso do Sul, o Estado conseguiu fechar 2018 com crescimento de 6,6% em receita gerada pela comercialização de carne ao mercado estrangeiro. Foram movimentados US$ 546 milhões no ano passado, diante de US$ 512 milhões do ano anterior. Em reais, o valor supera os R$ 2 bilhões.

De acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), que compilou números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), os envios brasileiros no ano passado superaram em 10% o total de 2017. Em receita, houve incremento de 8%, para US$ 6,5 bilhões.

O volume movimentado no ano passado superou o recorde anterior, de 1,56 milhão de toneladas, estabelecido em 2014. Mas a receita ficou aquém dos US$ 7,2 bilhões daquele ano, que teve “melhores preços para o produto brasileiro”.

Conforme a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), os russos adquiriram apenas 7 mil toneladas de carne bovina do Brasil em 2018, após 150 mil em 2017. O embargo se deveu a lotes contendo o aditivo ractopamina, proibido naquele país.

Mas, segundo a associação, um aumento das compras por parte da China compensou a ausência dos russos. Foram 150 mil toneladas a mais em 2018, em um total de 717,5 mil toneladas, com o país importando por Hong Kong e pelo continente 43,8% de toda a comercialização brasileira, contra 38,2% em 2017.

O Egito aumentou suas aquisições em 18%, ficando na segunda posição entre os países importadores, com 181,1 mil toneladas. Em terceiro aparece o Chile, com quase 115 mil toneladas (+77%).
Segundo a associação, além da Rússia, Irã e Estados Unidos tiveram queda significativa nas importações, de 40% e 16%, respectivamente.

Estado
Em Mato Grosso do Sul, o principal comprador de carne bovina foi o Chile, com US$ 142 milhões de receita. Em seguida, aparece Hong Kong (US$ 112 milhões), Irã (US$ 48 milhões), Arábia Saudita (US$ 39 milhões) e Egito (US$ 30 milhões).

Expectativas
As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) devem crescer 5% em volume neste ano em meio a uma esperada retomada de compras pela Rússia, disse nesta segunda-feira a Abrafrigo, que apontou embarques recordes de 1,639 milhão de toneladas em 2018.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

VETO

Governo recua e não vai mais distribuir 100% do lucro do FGTS com trabalhadores

MERCADO FINANCEIRO

Dólar fecha abaixo de R$ 4,10 pela primeira vez em mais de um mês

Suzano instalará mais uma fábrica de celulose em Mato Grosso do Sul
RIBAS DO RIO PARDO

Suzano instalará mais uma fábrica de celulose em Mato Grosso do Sul

Cidade Solar é inaugurada com capacidade de geração de 9,36 milhões de kWh/ano
ENERGIA SOLAR

Cidade Solar é inaugurada com capacidade de geração de 9,36 milhões de kWh/ano

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião