Terça, 19 de Junho de 2018

CONAB

Safrinha de MS deve ter
queda de 29,7% na produção

Previsão é de que sejam colhidos 6,7 milhões de toneladas de milho

13 JUN 2018Por DANIELLA ARRUDA05h:00

Produção do milho safrinha em Mato Grosso do Sul terá queda de 29,7%, recuando de 9,6 milhões para 6,7 milhões de toneladas, de acordo com o 9º Levantamento de Safra divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Também foi projetada redução de produtividade para o cereal no Estado, saindo de 5.460 quilos por hectare para 4.000 quilos por hectare, uma diferença de 26,7% a menos em relação à safra anterior. O recuo na área plantada do safrinha está estimado em 4%, passando de 1,7 milhão de hectares para 1,6 milhão de hectares.

No entanto, os preços elevados para a saca do milho em MS, puxados pelo dólar valorizado e pela exportação, devem minimizar um pouco o prejuízo dos produtores.

De acordo com análise da Conab, a redução da área plantada no Estado em relação à safra passada teve como causas o atraso no plantio e os preços desfavoráveis durante o planejamento do cultivo. Com o atraso no plantio da cultura da soja em decorrência da falta de chuvas em outubro, houve um deslocamento na janela de plantio da leguminosa. Isso, atrelado ao excesso de chuvas na colheita da soja, condicionou o deslocamento da janela de plantio do milho segunda safra.

Ainda conforme o levantamento, o porcentual de perda de produtividade varia para cada região produtora, uma vez que a região norte apresentou o menor valor de perda, porém, na macrorregião sudoeste as perdas foram maiores do que nas outras regiões. “Entre abril e maio houve um período de estiagem que, em muitas propriedades, foi superior a 40 dias, o que causou quebra de produtividade para os produtores nas áreas em estágio de desenvolvimento vegetativo e naquelas em floração e frutificação, também denominadas de embonecamento”. O estudo destaca ainda que “a estiagem prolongada e a baixa umidade relativa do ar impediram a germinação dos grãos de pólen na ocasião da fertilização, comprometendo o potencial produtivo da cultura”.

A Conab destaca que o mercado tem se mostrado aquecido quanto aos preços praticados e futuros para o milho produzido em Mato Grosso do Sul, mas existe uma preocupação generalizada com a perda significativa na produtividade. No que diz respeito à comercialização, até a finalização deste último levantamento o Estado se encontrava com aproximadamente 34% do milho segunda safra comercializado em contratos futuros.

SOJA

Responsável por 57% da produção total da safra 2017/2018, a soja terá neste ciclo aumento de 11,5% em relação ao volume produzido no ano anterior em Mato Grosso do Sul, totalizando 9,5 milhões de toneladas, conforme estimativa da Conab. Na safra passada, a produção da oleaginosa foi de 8,5 milhões de toneladas. A produtividade da cultura foi estimada em 3.580 quilos por hectare, incremento de 5,3% em relação aos 3.400 quilos por hectare do ciclo anterior. Quanto à área plantada, foi projetado crescimento de 5,9%, com 2,6 milhões de hectares. Na safra 2016/2017, a área cultivada foi de 2,5 milhões de hectares.
Com a colheita já finalizada, segundo a Conab, o ciclo da cultura está praticamente encerrado no Estado, faltando apenas concluir a comercialização, que se encontrava em torno de 75% do total produzido até o encerramento deste nono levantamento.

O estudo destaca que, “em maio, a comercialização da soja enfrentou uma paralisação por conta da greve dos caminhoneiros” e, “como a logística do produto é praticamente toda realizada por meio do transporte rodoviário, o produto não teve como chegar aos portos e às indústrias processadoras, produtoras de farelos, óleos e derivados de soja”. Além disso, a oleaginosa “teve uma gradativa alta nos últimos três meses, influenciada pela estiagem que atingiu a Argentina, como também pelas altas na cotação e valorização do dólar”, e “já existem créditos disponíveis, provenientes das cooperativas e agências bancárias para o custeio da próxima safra”.

SAFRA TOTAL

Com a redução do milho safrinha, a produção total de grãos de Mato Grosso do Sul deve encolher 10,7%, ficando em 16,7 milhões de toneladas, diante de 18,7 milhões do ciclo anterior. A produtividade total da safra também caiu (-12%), de 4.229 quilos por hectare para para 3.723 quilos por hectare. Em contrapartida, a área total cultivada terá expansão de 1,5%, passando de 4,4 milhões para 4,5 milhões de hectares.

Leia Também