CRISE

Retração afeta setor imobiliário e vendas recuam até 70%

Mudanças nas regras de financiamento da Caixa ampliaram os efeitos negativos no mercado
11/08/2015 00:00 - DA REDAÇÃO


 

Quem quer vender imóvel em Campo Grande já deve ter percebido que não está fácil encontrar clientes. Entre maio e junho, os profissionais do setor imobiliário enfrentaram queda estimada de até 70% nas vendas (dependendo do segmento). A situação econômica do País e as restrições para liberação de financiamento impostas pela Caixa Econômica Federal são apontadas como principais fatores para o período de crise. 

“Tivemos dois meses [maio e junho] bem fracos. Posso dizer que uns 70% mais fraco que o mesmo período do ano passado”, avalia o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-MS), Delso José de Souza. O proprietário de imobiliária na Capital Claudemir Neves estima o mesmo porcentual de redução para o período e analisa que “está todo mundo com passo de espera, na expectativa de uma situação de melhora”.

O representante do Sindicato da Habitação (Secovi-MS), Marcos Augusto Netto, explica que os bancos estão mais criteriosos na hora de conceder o crédito, mas que o principal motivo para a redução nesse período específico foi o susto que os clientes levaram com o anúncio de restrições para financiamento de imóveis usados feito pela Caixa. Desde 4 de maio, os financiamentos com recursos da poupança (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) tiveram uma redução do limite do total financiado de 80% para 50% do valor do imóvel no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e de 70% para 40% no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), pelo Sistema de Amortização Constante (SAC). 

*A reportagem, de Paula Vitorino, está na edição de hoje do Jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".