Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CRISE

Retração afeta setor imobiliário e vendas recuam até 70%

Mudanças nas regras de financiamento da Caixa ampliaram os efeitos negativos no mercado

11 AGO 15 - 00h:00DA REDAÇÃO

Quem quer vender imóvel em Campo Grande já deve ter percebido que não está fácil encontrar clientes. Entre maio e junho, os profissionais do setor imobiliário enfrentaram queda estimada de até 70% nas vendas (dependendo do segmento). A situação econômica do País e as restrições para liberação de financiamento impostas pela Caixa Econômica Federal são apontadas como principais fatores para o período de crise. 

“Tivemos dois meses [maio e junho] bem fracos. Posso dizer que uns 70% mais fraco que o mesmo período do ano passado”, avalia o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-MS), Delso José de Souza. O proprietário de imobiliária na Capital Claudemir Neves estima o mesmo porcentual de redução para o período e analisa que “está todo mundo com passo de espera, na expectativa de uma situação de melhora”.

O representante do Sindicato da Habitação (Secovi-MS), Marcos Augusto Netto, explica que os bancos estão mais criteriosos na hora de conceder o crédito, mas que o principal motivo para a redução nesse período específico foi o susto que os clientes levaram com o anúncio de restrições para financiamento de imóveis usados feito pela Caixa. Desde 4 de maio, os financiamentos com recursos da poupança (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) tiveram uma redução do limite do total financiado de 80% para 50% do valor do imóvel no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e de 70% para 40% no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), pelo Sistema de Amortização Constante (SAC). 

*A reportagem, de Paula Vitorino, está na edição de hoje do Jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias recua pelo quarto mês, diz CNC

Prefeitura da Capital fica mais longe do limite prudencial da LRF
GASTOS COM PESSOAL

Prefeitura da Capital fica mais longe
do limite prudencial da LRF

BRASIL

Mansueto: mesmo com reforma, governo não retomará investimentos por 3 ou 4 anos

ECONOMIA

Portaria regulamenta revisão de benefícios do INSS

Mais Lidas