Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

REPACTUAÇÃO

Renegociação de dívidas do BNDES foi autorizada pelo Legislativo

Nas contas do governo, economia gerada deve chegar a R$ 20 milhões

12 JUL 2017Por RODOLFO CÉSAR E IZABELA JORNADA16h:28

Projeto de lei encaminhando pelo Governo do Estado à Assembleia Legislativa que autoriza executar renegociação de operações de crédito financiadas com recursos do BNDES foi aprovado hoje. A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) prevê que somente neste ano a economia com a repactuação deve ser de R$ 20 milhões.

Para entrar em vigor, o projeto ainda depende da sanção do governador Reinaldo Azambuja, o que deve acontecer em breve.

A proposta não teve votos contrários, mas gerou críticas da oposição. Deputados reclamaram da forma como o Executivo apresentou a matéria no plenário.

"Está parecendo o governo do Wilson Barbosa Martins, quando não tínhamos acesso ao destino de valores", atacou o deputado estadual Amarildo Cruz (PT), ao se referir à falta de respostas por parte da bancada do Governo quando petistas perguntaram para onde iria o valor que seria economizado na renegociação da dívida.  

O líder do Governo na Casa, deputado Rinaldo Modesto (PSDB), disse que essa dívida é decorrente do governo anterior. "Com autorização do Legislativo, vamos ter quatro anos de carência para retomar pagamentos. As parcelas vão se estender até 2043", explicou o tucano.

A dívida que vai ser renegociada é de R$ 344,142 milhões, conforme dados atualizados até 30 de abril deste ano, e refere-se a duas operações que o Governo Federal avaliza.

Ela estava com prazo para pagamento até 2033. A Sefaz informou que a amortização mensal fica em torno de R$ 4,692 milhões.

A renegociação deve permitir que o pagamento mensal caia para R$ 2,073 milhões, que representaria uma economia/mês de R$ 2,620 milhões.

"Esse reparcelamento vai ajudar no fluxo de caixa e teremos quase R$ 2 milhões de economia (mês)", ressaltou Rinaldo.

REAJUSTE

O governo do Estado havia mencionado no começo deste mês que a renegociação da dívida do BNDES seria fundamental para garantir o reajuste aos 75 mil servidores. As tratativas sobre o aumento ainda não terminaram e o Fórum negou a proposta de 2,94%.

Nesta segunda-feira (10), houve indicativo que em torno de 40 categorias podem deliberar para greve geral, que seria deflagrada em 25 de julho. Ainda faltam assembleias gerais dos sindicatos para definir o futuro do movimento.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também