Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

NEGÓCIO BILIONÁRIO

Processo de venda da UFN3 será assinado até final do mês

Presidente da Petrobras confirmou que processo está avançado
13/08/2019 18:48 - GLAUCEA VACCARI


 

Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, confirmou hoje (13) que o processo de venda da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN3), de Três Lagoas-MS, está avançado e que o protocolo de intenções com a empresa russa de fertilizantes Acron será assinado até o final do mês de agosto. Informação foi repassada a senadora Simone Tebet (MDB) após audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado.

Na audiência, o presidente da Petrobras falou sobre a privatização de refinarias e das fábricas de fertilizantes contidas no plano de desinvestimentos da Petrobrás, entre outros assuntos. Ao final da reunião, ele encontrou-se com a senadora Simone Tebet, presidente da Comissão de Constituição e Justiça.

Simone comentou sobre a importância da retomada da fábrica não só para Três Lagoas, como para a região Centro-Oeste e o agronegócio brasileiro, tendo em vista que a UFN3 tornará o País autossuficiente na produção de fertilizantes e irá gerar milhares de empregos. 

“As obras serão retomadas e haverá geração de emprego e renda para a região”, disse Simone. 

Obras, que foram interrompidas em dezembro de 2014, com mais de 80% concluída, deve ser retomada no primeiro semestre do ano que vem e a estimativa é que as operações da fábrica sejam iniciadas em 2024.

A gigante russa Acron está negociando a prorrogação dos incentivos fiscais como governo do Estado e fechou acordo com a Bolívia para o fornecimento de gás.

A venda da UFN3 para o conglomerado europeu tornou-se possível após a autorização do STF, em junho deste ano, para que a venda de subsidiárias de empresas públicas ou sociedades de economia mista pudesse ocorrer sem autorização do Congresso ou licitação.

* Com assessoria

Felpuda


Ao que tudo indica, partido teria criado “racha” apenas visando jogar para a plateia, e, assim, quem estava com a corda toda anunciou que se prepara para o desembarque. Nos bastidores o que se ouve é que o tal fundo partidário seria o motivo da desavença e que quem nunca comeu mel quando come se lambuza. Só que não. A estratégia é continuar “dono” da atual legenda e “tomar a frente” de partido que está em fase embrionária. Tudo inspirado na “velha política”.