Campo Grande - MS, quarta, 22 de agosto de 2018

Economia

Privatizações buscam gerar 'ânimo artificial' no mercado, diz economista

27 AGO 2017Por DANIELLE BRANT, DA FOLHAPRESS04h:00

Os recentes anúncios de privatizações não passam de "manobras diversionistas" do governo e são altamente improváveis de se concretizar durante o mandato do presidente Michel Temer, afirmou neste sábado (26) o economista Eduardo Giannetti.

Ele participou do 8º Congresso Internacional dos Mercados Financeiro e de Capitais, realizado em Campos do Jordão (SP).

"O governo Temer está tentando usar já essa apressada introdução do tema, especificamente no caso da Eletrobras e de outros, para desviar a atenção de questões e para gerar um ânimo artificial nos mercados financeiros", afirmou.

"Isso sem realmente estar empenhado e até mesmo sem ter condições de executar durante seu mandato as privatizações que está propondo."

Ele vê como "altamente improvável" que as privatizações sejam concluídas até o fim do mandato do presidente. "Então parece que é mesmo uma tentativa de artificialmente gerar algum ânimo e alguma confiança para simplesmente, numa manobra diversionista, desviar a atenção de outras questões e de uma agenda que não ajuda o governo".

Nesta semana, o governo revelou propostas de diluir sua participação acionária na Eletrobras, deixando o comando da empresa para o setor privado.

Também incluiu o aeroporto de Congonhas, a Casa da Moeda e uma usina da mineira Cemig na lista de concessões.

"Em princípio, acho a privatização um tema relevante no Brasil de hoje, ainda mais à luz do que aconteceu com as nossas estatais no período recente", afirmou Giannetti. "O que eu não gosto é da maneira como se apresentou de afogadilho, sem uma discussão, sem um debate, e aparentemente com uma clara visão de fazer caixa para cobrir deficits fiscais de gastos correntes."

Giannetti avalia a iniciativa do governo como um equívoco. "O Brasil não deve privatizar para simplesmente cobrir temporariamente a gravidade do seu problema fiscal". O economista exemplificou com a situação de alguém que decide vender "a prata da família para jantar fora".

"Se você gastar isso cobrindo um rombo de curto prazo ou deficit, você vai perder seu ativo e o problema continuará lá onde sempre esteve", complementou.

No dia 15, o governo anunciou revisão da meta de deficit fiscal deste ano e de 2018, e avisou que só volta ao azul em 2021.

PAPEL DO ESTADO

Para Giannetti, a grande reforma econômica brasileira deveria ser uma separação clara entre público e privado. "É falso o debate mais Estado ou menos Estado no Brasil. Porque o Estado brasileiro está onde não devia e não está onde deveria."

Segundo ele, o Estado está onde não deveria ao proteger a economia, ao dar crédito subsidiado, ao fazer contratos inexplicáveis com segmentos do setor privado que se beneficiam de uma situação de acesso privilegiado ao poder.

"Um intervencionismo desastrado que gerou a pior recessão da história brasileira da qual felizmente agora estamos dando os primeiros sinais de que estamos saindo."

O economista avalia que é preciso ter mais respeito à economia de mercado. "O Estado brasileiro deveria estar na formação de capital humano, no ensino fundamental de qualidade, saúde pública, saneamento básico. É vergonhoso um país como o nosso, em pleno século 21, em que metade praticamente metade dos domicílios não tem acesso à coleta de esgoto", afirmou.

REFORMA TRAVADA

Parada no Congresso, a reforma da Previdência não tem chance de progredir no Congresso antes das eleições de 2018, afirmou o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) em coletiva após o evento.

"A reforma da Previdência não tem chance de progredir na Câmara e no Senado antes do processo eleitoral."

Caiado disse ainda que a TLP, nova taxa de juros do BNDES que foi aprovada no plenário da Câmara nesta semana deve ser aprovada no Senado até 6 de setembro.

*A jornalista viajou a convite da B3

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também