CAMPO GRANDE

Prefeitura prepara novas ações para cobrar débitos de inadimplentes

Sefin ampliará rigor sobre grandes devedores de ISS
16/05/2019 09:30 - ROSANA SIQUEIRA E DANIELLA ARRUDA


 

Diante da queda de receitas municipais, que chega a R$ 15 milhões somente no primeiro quadrimestre deste ano, a Prefeitura de Campo Grande prepara nova leva de ações para cobrar os inadimplentes na Capital, segundo o secretário municipal de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto.

Uma das estratégias, em curso desde junho do ano passado, é acionar o contribuinte por meio da central de cobrança municipal. Somente no mês passado, o serviço registrou recuperação de R$ 3,4 milhões em débitos, com um total de 15,2 mil ligações efetivadas com êxito (45,5% de um total de 33,5 mil chamadas).

No ano, o montante recuperado em tributos atrasados está em R$ 12,8 milhões e, desse valor, R$ 5,7 milhões já foram pagos, enquanto R$ 7,1 milhões foram resultantes de parcelamento.  

A dívida ativa do município alcança atualmente R$ 3 bilhões, e a maior parte desse montante é de débitos com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Conforme o secretário, o crescimento desse valor pode ser explicado pela inadimplência, hoje projetada em 33%. “[Esse montante] vai subir, porque você tem um terço de inadimplência, então vai ter mais de R$ 100 milhões por ano que essa dívida vai crescer na dívida ativa”, explicou. 

No entanto, enquanto a dívida ativa do IPTU é classificada como recuperável, a do ISS é de difícil recuperação. “É praticamente impossível porque empresa fecha e fica aquele CNPJ sem ativo nenhum, fica aquele passivo lá, o contribuinte não paga nunca. Prescreve, briga na Justiça, não tem nenhum bem para penhorar. Agora, o IPTU acompanha o imóvel. Ele é devido pelo peso que possui o imóvel, mas você pode trocar o proprietário que continua [com o novo dono] aquele débito. Então, ele tem um lastro real, tem uma garantia real”, ponderou. 

AÇÕES

Ainda conforme Pedrossian Neto, na parte de arrecadação, a prefeitura aposta na modernização do sistema tributário para poder adotar, de fato, a negativação do contribuinte, e isso depende, segundo ele, de uma questão de Tecnologia da Informação (TI). “A negativação em si não foi feita ainda. Não começou. Porque, imagina, você vai negativar alguém, o contribuinte pagou e tem de fazer automaticamente a baixa do sistema. O mesmo sistema tem de conversar com o do SCPC. Não é tão simples”, comentou. 

Já a modernização do sistema integrado de gestão tributária municipal é esperada para o segundo semestre deste ano. “A Câmara [Municipal] autorizou e agora a gente pode iniciar as tratativas para a contratação. Agora, que o banco pode finalmente autorizar a contratação do empréstimo, a gente imagina que vai ser relativamente rápido, no segundo semestre”, afirmou. 

Em relação à fiscalização do ISS, destacou o secretário, também haverá reforço nas atividades: estão sendo montadas várias inspetorias e “há uma série de ações específicas em alguns contribuintes”. “Vai ter um aumento na fiscalização do ISS, até porque nós estamos fazendo esse concurso [dos auditores-fiscais], que teve 11 mil inscritos e a prova é agora no mês que vem”, afirmou. 

Segundo o titular da Sefin, o concurso trará uma renovação muito salutar para o quadro. Hoje, dois terços dos auditores-fiscais da prefeitura estão em idade para aposentar e a maioria está no abono de permanência. “Não está tomando decisão ainda de cadastro reserva, por enquanto, são dez, mas eu acho que dá para chamar eventualmente até 40”, pontuou. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".