Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

GASTOS COM PESSOAL

Prefeitura da Capital fica mais longe do limite prudencial da LRF

Despesas totais com pessoal somaram R$ 1,631 bilhão até maio

25 JUN 19 - 15h:45DANIELLA ARRUDA

Município de Campo Grande registrou em maio nova redução no comprometimento da receita corrente líquida com gastos relacionados a pessoal e conseguiu ficar abaixo do limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), de 51,30%, alcançando o índice de 50,50% até o quinto mês do ano. De acordo com relatório de gestão fiscal publicado nesta terça-feira (25) no Diário Oficial, as despesas totais com pessoal somaram R$ 1,631 bilhão até o mês passado.

Um mês atrás, a prefeitura havia fechado o primeiro quadrimestre de 2019 no patamar de 51,16%. Nos quatro meses anteriores (setembro a dezembro de 2018), o limite foi ultrapassado e chegou a 53,13%.

Apesar do resultado, o comprometimento de gastos com pessoal do município ainda permanece acima do patamar considerado “de alerta”, de 48,30%. No mesmo quadrimestre do ano passado, o índice estava em 49,84%. Ainda conforme a LRF, essas despesas não podem ultrapassar 60% da receita corrente líquida do município, que alcançou até maio o montante de R$ 3,230 bilhões.

Receitas

De acordo com dados do Portal da Transparência Municipal, no período de janeiro a maio deste ano as principais fontes próprias de arrecadação apresentaram trajetórias distintas no comparativo com o mesmo período do ano passado. No caso do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), o montante arrecadado passou de R$ 311,242 milhões para R$ 297,305 milhões, o que representa retração de 4,4%, ainda refletindo a antecipação dos carnês do tributo de 2019 para 2018. 
O desempenho do Imposto sobre Serviços (ISS) mostrou pequeno aumento e a arrecadação deste tributo ficou em R$ 134,572 milhões, ante R$ 132,512 milhões entre janeiro e maio de 2018 (variação de 1,5%). 

Ainda conforme o Portal da Transparência, o Imposto sobre Transferência de Bens Imóveis (ITBI) apresentou crescimento ainda mas expressivo e fechou em R$ 25,613 milhões, incremento de 15,1% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 22,238 milhões). 

Em relação às transferências federais e estaduais recebidas pelo município, o Fundo Nacional de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) teve avanço de 8,9% e o montante repassado subiu de R$ 181,733 milhões (2018) para R$ 198,019 milhões. Quanto ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), o total recolhido cresceu 9,1%, de R$ 65,708 milhões para R$ 71,715 milhões. 

Enquanto a cota-parte referente ao Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) passou de R$ 90,343 milhões para R$ 110,705 milhões (+11,9%), a do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ficou praticamente estável no período comparado: foram transferidos para o município de Campo Grande R$ 185,330 milhões de janeiro a maio deste ano, frente a R$ 184,204 milhões no ano passado, ligeira variação de 0,6%.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CONTAS ATIVAS E INATIVAS

'Todo ano vai ter', diz Guedes sobre liberação de saques do FGTS

ECONOMIA

Decreto cria comitê técnico para desenvolvimento do mercado de combustíveis

ECONOMIA

FMI reduz projeção de crescimento do PIB do Brasil para 0,8%

ECONOMIA

Novo mercado de gás vai propiciar redução de custo para indústria, diz MME

Mais Lidas