Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 15 de dezembro de 2018

MERCADO IMOBILIÁRIO

Preços de imóveis começam
a reagir em Campo Grande

Câmara de Valores Imobiliários aponta aumento de preços de até 25%

25 SET 2017Por DA REDAÇÃO06h:00

Ainda que tímida, a retomada da economia começa a impactar o mercado imobiliário e refletir sobre a valorização dos imóveis de Campo Grande. Levantamento da Câmara de Valores Imobiliários de Mato Grosso do Sul (CVI-MS) aponta que a alta de preços chega a até 25%. No entanto, também há regiões em que o metro quadrado simplesmente não registrou alteração nos últimos 12 meses, sinalizando que o mercado ainda não conseguiu se desvincular do cenário de estagnação do ano passado.

“Em termos de valorização, a tendência é de estabilidade. Não está tendo aumento como nos anos anteriores. Há regiões em que está melhorando um pouco o valor, mas é uma coisa pequena. A região com maior procura ainda é a norte, seguida da leste”, informa Dilson Tadeu Auerswald, presidente da CVI-MS.

No Bairro Nova Lima, onde foi registrado o maior porcentual de valorização (25%), o preço do terreno vem crescendo por conta das novas obras de asfalto na região. O preço médio do metro quadrado é projetado em R$ 340,00. “É a expectativa da chegada do asfalto e a procura por compra para terreno e futuras construções na região, que está muito boa. Quando o asfalto ficar pronto, a expectativa é de que os terrenos valorizem em mais 10% a 15% na região”, destaca.

Bairros como Chácara Cachoeira e Tiradentes, na saída para Três Lagoas, além do Santa Fé,  Jardim Autonomista, Jardim Polonês e Carandá Bosque, também permanecem valorizados e com procura razoável, apesar do ritmo mais lento do mercado. A valorização varia de 15% a 20%. “São regiões onde os terrenos são mais valorizados e os imóveis acompanham. A oferta de terrenos também está mais restrita nesses bairros, por isso a valorização”, explica.

(*)Leia a reportagem completa, de Daniella Arruda, na edição de hoje do Correio do Estado

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também