Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Economia

Preços das frutas caem no mercado atacadista

Queda no consumo de frutas no inverno, reflete na diminuição dos preços nos entrepostos

25 AGO 15 - 13h:18DA REDAÇÃO

Os preços das principais frutas comercializadas no país no atacado apresentam tendência de queda. É o que aponta o 5º Boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Centrais de Abastecimento (Ceasas), divulgado nesta segunda-feira (24), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A queda no consumo de frutas no inverno, aliada ao aumento da oferta, reflete na diminuição dos preços nos entrepostos. No caso da melancia, a grande oferta da fruta é proveniente da safra das regiões produtoras de Formoso do Araguaia e Lagoa da Confusão, em Tocantins, e Uruana, em Goiás, cuja produção deve ser colhida até setembro e novembro, respectivamente, proporcionando melhores cotações do produto para o consumidor. Os estados do Rio de Janeiro e Distrito Federal apresentaram, no mês de julho, problemas pontuais de abastecimento da referida fruta. 

A banana também apresenta oferta elevada, principalmente, da variedade nanica. Mas nesse caso, o aumento é consequência da antecipação da colheita devido às condições climáticas nas áreas produtoras.

Contrariando esse comportamento de queda, a maçã e o mamão apresentaram aumento na maior parte das Ceasas analisadas. No caso da maçã, apesar de haver aumento do volume de oferta geral, a variação Fuji apresentou queda e influenciou no aumento dos preços do produto. A diminuição da produção se deve a condições climáticas. O mamão também apresenta elevação nos preços, mas há expectativa de arrefecimento a partir de agosto, uma vez que a disponibilidade do produto vai ser normalizada com a entrada de nova safra. As exportações de mamão, inclusive, devem ser intensificadas.

HORTALIÇAS

Já as hortaliças registraram aumento de preços em julho, mas percebe-se uma tendência de baixa de maneira generalizada nos preços para o mês de agosto.

A menor área plantada do tomate em 2015, quando comparada com 2014, influencia na alta de preços do produto, devido aos problemas enfrentados no período de seca.

A batata continua apresentando recuperação de preços, assim como a cebola que mantém o comportamento de alta, mas agora de maneira mais suave. No caso da cenoura, o encerramento da safra influenciou na elevação das cotações na maioria dos mercados. Para as três hortaliças, a colheita da safra de inverno das principais regiões produtoras deve normalizar a oferta disponível nos mercados, ocasionando a redução de preços para os próximos meses.

A alface foi a única hortaliça que não apresentou comportamento uniforme. Em Campinas, o preço da folhosa manteve-se estável. Minas Gerais, Espírito Santo e Distrito Federal registraram queda. Enquanto isso, Rio de Janeiro, Paraná e São Paulo acusaram alta nas cotações do produto. No caso de São Paulo, o aumento dos preços dessa hortaliça pode ser explicado pela incidência de fortes chuvas no início do mês de julho nas regiões produtoras da região, prejudicando o desenvolvimento e a qualidade da hortaliça.

O levantamento é feito nos mercados atacadistas, por meio do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), executado pela Conab, e considera a maioria dos entrepostos localizados nos estados de Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Paraná.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Governo anunciará novos bloqueios no Orçamento na quarta

Acordo que limita voos para a Argentina pode ser revisto
TURISMO

Acordo que limita voos para a Argentina pode ser revisto

Diesel fecha semana com alta de 1,4% em Mato Grosso do Sul, diz ANP
COMBUSTÍVEIS

Diesel fecha semana com alta de 1,4% em MS

EQUILÍBRIO FINANCEIRO

BC leiloará US$ 3,75 bilhões das reservas para conter alta do dólar

Mais Lidas