Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PESQUISA

Preço do feijão tem aumento 90% em Campo Grande

Aumento no valor da cesta básica na Capital foi o 5º maior entre cidades pesquisadas

12 MAR 19 - 13h:46DANIELLA ARRUDA

No segundo mês do ano, Campo Grande volta a registrar expressiva variação nos preços dos itens que compõem a cesta básica. O percentual, de 5,74%, foi o quinto maior entre as 18 capitais pesquisadas mensalmente pelo Dieese. O acumulado no ano é de 3,73%, e no período de 12 meses, ou seja, de fevereiro de 2018 a fevereiro de 2019, o percentual chegou a 17,66%, a variação mais expressiva entre as cidades estudadas.

Esta nova alta representou um custo de R$ 438,64 para o trabalhador - acréscimo de R$ 23,81 em relação ao custo individual da cesta registrado em janeiro desse ano, quando o custo foi de R$ 414,83.

Em relação à cesta familiar, cujo valor somou R$ 1.315,92¸ a alta foi de R$ 71,43. Na relação entre o custo da cesta familiar e o salário mínimo bruto, a equivalência foi de 1,32 vezes – elevação em 0,07 p.p na comparação com os valores do mês anterior.

A jornada de trabalho das pessoas que recebem um salário mínimo foi aumentada em 5 horas e 14 minutos em relação à Janeiro, fechando em 96 horas e 41 minutos. Na análise de 12 meses, a jornada aumentou em 10 horas e 43 minutos. Em fevereiro de 2018, uma pessoa precisou dedicar 85 horas e 58 minutos de trabalho para adquirir uma cesta básica, ao custo de R$ 372,79 – uma diferença a menor de R$ 65,85 do que foi dispendido em 2019.

O nível de comprometimento do salário mínimo líquido para aquisição de uma cesta básica na capital registrou alta em 2,59 p.p., uma vez que o percentual passou de 45,18% em janeiro, para 47,77% em fevereiro de 2019.

Nos cinco itens em que se observou variações positivas de preços, cabe destaque o expressivo aumento do feijão carioquinha, cuja alta mensal (90,91%) foi a segunda maior do país, e teve preço médio de R$ 9,40 para um quilo do grão. Em 12 meses a variação chegou a 160,20%, a maior entre os itens pesquisados.

As quatro altas restantes foram registradas nos preços de carne bovina (2,21%) – revertendo a baixa do mês de Janeiro, batata (3,94%), açúcar cristal (1,57%) e manteiga (0,15%). Em 12 meses, a batata acumula alta de 67,66%, e o açúcar, retração em (-3,00%).

A banana (-6,76%) foi o item que reverteu consideravelmente a alta notada em janeiro, seguida por farinha de trigo (-3,50%), arroz (-3,19%), leite de caixinha (-2,89%), tomate (-2,58%), óleo de soja (-2,11%), café (-1,36%) e pão francês (-1,07%).

[11:56, 12/3/2019] +55 67 9980-7662: Só o feijão aumentou 90,91% e foi a segunda maior alta do país para o produto. o preço médio ficou em R$ 9,40 para um quilo do grão. em 12 meses, o aumento chegou a 160,20%, o maior dentre os itens pesquisados.

[11:58, 12/3/2019] +55 67 9980-7662: Dados nacionais, para abrir intertítulo. -Em fevereiro de 2019, o custo do conjunto de alimentos essenciais subiu em quase todas as capitais, exceto em Belém (-0,27%), conforme mostram os resultados da Pesquisa Nacional da

Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em 18 cidades. As altas mais expressivas ocorreram em Recife (7,88%), Natal (6,75%), Aracaju (6,46%) e Vitória (5,97%).

A capital com a cesta mais cara foi São Paulo (R$ 482,40), seguida pelo Rio de Janeiro

(R$ 464,47) e por Porto Alegre (R$ 449,95). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 362,93) e São Luís (R$ 368,82).

Em 12 meses, entre fevereiro de 2018 e o mesmo mês de 2019, todas as cidades

acumularam alta. Merecem destaque as elevações registradas em Campo Grande (17,66%), Goiânia (14,39%) e Belo Horizonte (11,29%).

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados
VERBA EXTRA SOB AMEAÇA

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados

PLATAFORMA DIGITAL

Resgate eletrônico de depósitos judiciais chega a 12 estados

BRASIL

Após ser criticado, governo recua de decisão de excluir 17 ocupações do MEI

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro
PREPARE O BOLSO

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião