Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

CONSUMO

Preço do boi recua 13%, mas não
chega ao varejo da carne

Valor nas prateleiras continua elevado para os consumidores

29 JUN 2017Por DA REDAÇÃO06h:30

Três meses após o mercado da carne bovina brasileira sofrer abalos em série, com a deflagração da Operação Carne Fraca – que denunciou esquema de pagamento de propinas envolvendo fiscais sanitários e frigoríficos em três Estados – e as delações da JBS, no âmbito da Operação Lava Jato, mergulharem o País em clima de instabilidade política, o produtor sul-mato-grossense enfrenta queda livre nos preços pagos pela arroba do boi gordo (o valor  despencou 13% no período), mas no varejo o ritmo de redução ainda segue lento para o consumidor final do Estado.

De acordo com levantamento realizado pelo Núcleo de Pesquisa de Preços (Nepes) da Uniderp em supermercados e açougues de Campo Grande, o quilo da carne bovina ficou em média apenas 1,43% mais barato de março até este mês.

O resultado, de acordo com o coordenador do núcleo, Celso Correia de Souza, decorre do excesso de oferta do produto nos pastos e da redução de abates no Estado – neste último caso, influenciada diretamente pela desaceleração do grupo JBS, que detém 40% do setor –; pela diminuição das exportações brasileiras de carne; e retração do consumo das famílias por causa da crise econômica, que ainda não arrefeceu.

Essa soma de fatores contribuiu para que os preços,  dentro de um cenário de promoções dos estabelecimentos e migração do consumidor dos chamados cortes de primeira para os de segunda, ainda permaneçam elevados em geral. 

Ainda segundo o pesquisador, também há a questão da crise e o desemprego que permanece em níveis elevados no País, refletindo diretamente no poder de compra das famílias e na restrição do consumo.

*Leia reportagem, de Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também