Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PESQUISA

Preço da gasolina chega <br>a R$ 4,39 em Campo Grande

Dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
30/04/2018 15:02 - EDUARDO FREGATTO


 

Na última semana de abril, dos dias 22 a 28, o preço da gasolina chegou a R$ 4,39 em Campo Grande. Para os motoristas dispostos a pesquisar mais, também era possível encontrar postos vendendo o combustível a, no mínimo, R$ 3,97.

Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, que também verificou um aumento de 0,47% no valor médio da gasolina nas últimas quatro semanas na Capital, passando de R$ 4,01 para R$ 4,03 o litro.

Já em relação aos últimos 12 meses, o preço médio da gasolina subiu 15,6% em Campo Grande, passando de R$ 3,47 para R$ 4,02 o litro. O aumento representa quase 10 vezes a inflação oficial, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Já em relação ao período de janeiro a abril de 2018, o valor da gasolina caiu 1,18% na Capital, cerca de R$ 0,4 centavos de diferença para o consumidor.

As informações são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

O etanol e o diesel também acompanharam a alta, subindo 12,9% e 9,2% respectivamente, em relação aos últimos doze meses. O etanol foi de R$ 3,05 para R$ 3,45, e o diesel que poderia ser encontrado na cidade por R$ 3,33 em abril de 2017, agora está sendo vendido por R$ 3,64 o litro.

De janeiro a abril deste ano, o etanol teve alta expressiva: subiu 7,6%, cerca de R$ 0,25 centavos de diferença. O diesel teve pequena retração de 0,95%, isto é, queda de R$ 0,4 centavos.

GLP

O gás liquefeito de petróleo (GLP), o gás de cozinha, também ficou mais caro. Em abril de 2017, poderia ser comprado por R$ 66,41 em Campo Grande. Já em abril de 2018, o preço médio é de R$ 74,51, um aumento de 12,2%. 

No Estado, a alta foi ainda maior, de 14%. O botijão de gás passou de R$ 62,2 para R$ 74,4 nos últimos doze meses.
 

Felpuda


A tal estratégia de jogar informações nas redes sociais com objetivo de prejudicar adversários está começando a gerar reações. Uma dessas figurinhas vai ter de explicar, na Justiça, o por quê de postagem trazendo suspeitas pesadas contra cabeça coroada, que não gostou nadica de nada de ver o seu nome sendo usado como “bucha de canhão” para fins eleitoreiros. Vem chumbo grosso por aí! E sai debaixo!...