Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

COMBUSTÍVEL

Preço da gasolina cai 4,1%
e litro chega a R$ 3,89 na Capital

Queda do dólar é um dos motivos da redução; valor diesel também teve queda

4 JAN 19 - 05h:00EDUARDO FREGATTO

Preço do litro da gasolina teve redução de 4,1% em Campo Grande, nos últimos 30 dias, e já pode ser encontrado por menos de R$ 4,00 na maioria dos postos da cidade. As informações são do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes de Mato Grosso do Sul (Sinpetro/MS). Além disso, segundo rota realizada pelo Correio do Estado, que percorreu 25 estabelecimentos da Capital, é possível comprar o litro do combustível por R$ 3,89, com pagamento à vista. 

“Esta redução deve-se a forte queda do dólar ante o real, que é um dos parâmetros utilizados pela Petrobras”, informou a Sinpetro, em nota. O preço médio da gasolina, verificado pela reportagem, está em R$ 4,00, cerca de 6,76% menor que o de dez semanas atrás (R$ 4,29), segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Apesar da queda de preço, o movimento de vendas ainda não sofreu efeitos positivos, devido à época do ano. “Nesse período de férias coletivas das empresas e escolas, tradicionalmente, ocorre quedas em torno de até 25% no volume de vendas”, explicou a Sinpetro.

REFINARIAS
Ontem, a Petrobras reduziu em 2,73% o preço da gasolina em suas refinarias, levando o valor ao menor patamar em 15 meses. Segundo a estatal, o litro do combustível é vendido a R$ 1,4675, em média.

Em valores corrigidos pela inflação, a última vez em que o litro da gasolina foi vendido nas refinarias da estatal por menos de R$ 1,50 foi em meados de setembro de 2017. Depois, os preços dispararam, acompanhando a escalada das cotações internacionais do petróleo até atingirem, um ano depois, o recorde de R$ 2,2676 por litro, também corrigidos pela inflação.

Desde então, a queda acumulada no preço é de 35,3%, reflexo do recuo das cotações internacionais e do recuo da taxa de câmbio durante o processo eleitoral.

Durante o pico de setembro, a Petrobras anunciou ainda uma mudança em sua política de preços, permitindo que a área técnica segurasse reajustes da gasolina por até 15 dias. Segundo a empresa, as perdas seriam compensadas pelo uso de instrumentos financeiros de proteção conhecidos como hedge.

DIESEL
Em relação ao óleo diesel, houve queda de 5,16% no valor médio do litro, em dez semanas. O valor saiu de R$ 3,68 para R$ 3,49, segundo rota realizada pela reportagem.

E, apesar do fim do programa de subvenção criado no fim de maio para encerrar a paralisação dos caminhoneiros, na última segunda-feira, a Sinpetro informou que a Petrobras e o governo federal optaram por não retornar os R$ 0,35 que foram retirados pelo subsídio. “Nesse primeiro momento de transição, [eles] irão adotar o mesmo sistema que é utilizado para a gasolina, ou seja, a cada sete dias, no máximo, o preço poderá ter oscilações tanto para aumentar quanto para reduzir, dependendo de como se mostra o mercado internacional”, explicou a entidade.

Nas refinarias, já houve aumento foi de R$0,06 nas refinarias. “Esse valor possivelmente deverá ser cobrado nas bombas, caso o empresário assim analise a situação  perante a  concorrência”, finalizou.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita
OPERAÇÃO PANDORA

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos
DESENVOLVIMENTO LOCAL

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos

Ministério do Trabalho investigará demissão em massa na Mabel
TRÊS LAGOAS

MPT investigará demissão em massa na Mabel

Conselho de agrotóxicos elabora plano para controle de pragas em MS
CORREIO RURAL

Conselho de agrotóxicos elabora plano para controle de pragas em MS

Mais Lidas