Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA MS

Potencial de consumo de MS é de R$ 64,7 bilhões só neste ano

MS é o 17º colocado em movimentação financeira

14 MAI 19 - 09h:30ROSANA SIQUEIRA

O consumo das famílias sul-mato-grossenses deverá manter crescimento, como também deverá impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, que em 2016 era de R$ 91,8 bilhões.

Na contramão das últimas expectativas, a economia sul-mato-grossense tem potencial para movimentar cerca de R$ 64,7 bilhões neste ano, respondendo por 1,38% do consumo no Brasil.

A previsão, baseada no índice de inflação (medido pelo IPCA) de 3,89%, é do estudo IPC Maps 2019, especializado no cálculo de taxas de potencial de consumo nacional, com base em dados oficiais.

Em 2018, o índice era um pouco menor, de 1,35%. No ranking nacional, MS é 17º na listagem dos estados em termos de movimentação. 

Com mais de 2,7 milhões de habitantes, o Estado concentra a maior população na área urbana, com 2,4 milhões de pessoas, e 322 mil na área rural. O maior poder de consumo, de R$ 59,4 bilhões estimados no ano, é nas cidades, sendo R$ 5,2 bilhões no meio rural.

A estimativa é de gasto per capita de R$ 24.217,79 na região urbana e R$ 16.259,04 na rural.  
A classe C puxa os gastos no Estado, com previsão de R$ 24,4 bilhões, seguida da classe B, com R$ 22,5 bilhões; classe A, com R$ 6,8 bilhões; e D/E com R$ 5,6 bilhões.

Os custos com a manutenção da casa e alimentação puxam os índices. Na residência, a estimativa é de consumo de R$ 15,9 bilhões neste ano e com alimentação de R$ 7,2 bilhões. Outros setores que integram a lista de dispêndios do sul-mato-grossense são gastos com veículo próprio, de  R$ 3 bilhões; materiais de construção, de R$ 2,8 bilhões; e alimentação fora do domicílio, de R$ 2,5 bilhões. O setor outras despesas tem previsão de R$ 12,3 milhões em consumo. 

Municípios

Campo Grande está na 20ª posição do ranking de municípios no Brasil, com estimativa de R$ 23,9 bilhões de potencial de consumo neste ano, e o 1º do Estado neste quesito. Do montante, R$ 23,7 bilhões serão na área urbana e R$ 177,5 milhões na rural. A população da Capital é estimada em 895,9 mil de habitantes. Os gastos do campo-grandense devem se concentrar mais na manutenção do lar, com R$ 6,3 bilhões, e alimentação no domicílio.

Entre as cidades do interior o destaque é Dourados, com R$ 5,5 bilhões de consumo estimado; Três Lagoas, com R$ 2,9 bilhões; Corumbá, com R$ 2,1 bilhões; Ponta Porã, com R$ 1,7 bilhão; Naviraí, com R$ 1,4 bilhão; e Nova Andradina, com R$ 1,3 bilhão.

Brasil

No País, são estimados R$ 4,7 trilhões de movimentação na economia, sendo responsável por 64,8% da somatória de bens e serviços deste ano. Ainda segundo o levantamento, as capitais perderão espaço no consumo (de 29,6% em 2018 para 28,9% este ano) e, em contrapartida, o interior dos estados voltará a dar sinais de recuperação, elevando de 54% para 54,4% a movimentação de recursos neste ano.

Com mais de 210 milhões de habitantes, o Brasil concentra 84,8% dos seus cidadãos (178,1 milhões) na área urbana, que respondem pelo consumo per capita de R$ 24.420,15. Enquanto isso, os gastos dos 31,9 milhões de cidadãos rurais correspondem a R$ 10.498,72 por habitante.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mercado de trabalho gera 2,6 mil novas vagas em abril em MS
EMPREGO

Mercado de trabalho gera 2,6 mil novas vagas em abril

Municípios recebem mais do FPM, <BR>mas outros repasses caem
ARRECADAÇÃO

Repasse do FPM aos municípios aumenta, mas outros caem

AVIAÇÃO

Empresa resultante de venda da Embraer se chamará Boeing Brasil - Commercial

Bares venderão cervejas pela metade do preço no Dia sem Imposto
DIA SEM IMPOSTO

Bares venderão cervejas pela metade do preço

Mais Lidas