Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

ECONOMIA

PIB só recupera nível de 2013 em 2018

30 AGO 15 - 07h:00exame

A recessão apontada pelo mercado para os próximos anos e a ligeira retomada esperada a partir de 2017 vão deixar a economia brasileira menor. A forte intensidade da retração observada vai fazer diminuir o tamanho do Produto Interno Bruto (PIB) do País e fazer com que ele volte ao patamar de 2013 apenas em maio de 2018.

Os cálculos do professor de finanças Alexandre Cabral mostram que o PIB da economia brasileira encerrou 2013 em R$ 5,513 trilhões, número que só será alcançado em maio de 2018. Com a recessão esperada para o atual biênio, o tamanho da economia brasileira deverá diminuir para até R$ 5,394 trilhões ao fim de 2016.

Para elaborar o estudo, Cabral usou como base as previsões do relatório Focus, do Banco Central. Para os analistas, a recessão será de 2,06% em 2015 e de 0,24% em 2016. Em 2017, o crescimento será de 1,50% e, para 2018 a estimativa é de 2%.

Os números que serviram de base para o estudo podem ser considerados conversadores, de acordo com Cabral. Boa parte dos bancos e das consultorias já trabalha com um cenário mais pessimista do que o apontado pelo Focus para 2015, com queda de até 3% no PIB.

O levantamento também contemplou o PIB em dólar do País. Nesse caso, a tendência é de quedas sucessivas por causa da forte desvalorização do real. De 2013 para 2018, o tamanho da economia brasileira passará de US$ 2,387 trilhões para US$ 1,555 trilhão.

"Para a economia brasileira voltar aos US$ 2 trilhões vai ser muito difícil", afirma Cabral.

A recessão da economia brasileira em 2015 está mais intensa do que o previsto no início do ano, e a recuperação, por ora, parece cada vez mais distante. "Na comparação trimestral, o PIB só deve voltar a subir no segundo trimestre de 2016", afirma Alessandra Ribeiro, economista e sócia da Tendências Consultoria Integrada. Para este ano, ela estima uma retração de 2,3%, e estabilidade em 2016.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, espera uma retração na economia em 2016. Além dos fatores internos, ele cita as incertezas com o cenário externo. A economia chinesa dá sinais de desaceleração, e existe a possibilidade de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) aumentar os juros. "O ano de 2017 poderá ser melhor, pois a economia já terá passado por três anos de forte ajuste de custos para as empresas", diz Vale. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã
MERCADO

Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã

Prazo para pagamento do IPVA com desconto de 15% termina na sexta-feira
IMPOSTO

Desconto de 15% para pagamento do IPVA termina na sexta-feira

Intenção de consumo dos campo-grandenses é a maior em cinco anos
RECUPERAÇÃO

Intenção de consumo dos campo-grandenses é a maior em cinco anos

Gasolina fica R$ 0,05 mais cara em quatro semanas
ALTA

Gasolina fica R$ 0,05 mais cara em quatro semanas

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião