CRÉDITO

Penhora de joias cresce<br> 9,44% no semestre em MS

De janeiro a junho, foram R$ 191 milhões em operações na Caixa
02/08/2017 06:30 - DA REDAÇÃO


 

O prolongamento da recessão econômica além do previsto e o esgotamento dos recursos ou crédito fizeram com que a população recorresse, cada vez mais, ao penhor para conseguir dinheiro para pagar as contas.

Conforme informações da Caixa Econômica Federal, o volume de operações de penhor teve crescimento de 9,44% no primeiro semestre, em comparação com o mesmo período do ano passado.

De janeiro a junho deste ano, informou a Superintendência Regional do banco, foram emprestados R$ 191 milhões em Mato Grosso do Sul. O volume é R$ 17 milhões superior em comparação com o mesmo período do ano anterior, quando as operações de penhor movimentaram R$ 174 milhões.

Para o economista Thales de Souza Campos, presidente do Conselho Regional de Economia de Mato Grosso do Sul, o aumento nas operações de penhor é consequência da macroeconomia, que continua em recessão.

“O penhor é a última alternativa. O primeiro é usar o dinheiro que se tem para pagar as contas. Esse dinheiro não deu. Então, ele usa o crédito que existe. Você compra e fica devendo. Aliás, dever não é o problema, o defeito é não ter dinheiro para pagar, que gera a inadimplência. Sem dinheiro ou crédito na praça, a alternativa é penhorar o que se tem”, completou. Esse índice, completou o economista, pode ainda ser maior. 

*Leia reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".