BRASIL

Pela 1ª vez, País reduzirá dívida com recursos de bancos públicos, diz Guedes

Pela 1ª vez, País reduzirá dívida com recursos de bancos públicos, diz Guedes
12/06/2019 13:01 - ESTADÃO CONTEÚDO


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 12, que, pela primeira vez na história, o País vai reduzir a dívida pública com recursos provenientes de bancos públicos. O comentário diz respeito ao anúncio, feito pouco antes por Guedes e pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, de que a instituição devolverá R$ 3 bilhões ao Tesouro referentes a dívidas ligadas a Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida (IHCD). 

Os IHCD foram utilizados pelo governo da presidente Dilma Rousseff para capitalizar instituições públicas. 

No caso da Caixa, há um estoque próximo de R$ 40 bilhões, sendo que o banco tem a intenção de devolver metade disso em 2019. Os $ 3 bilhões anunciados nesta quarta-feira são a primeira parcela

Durante a coletiva de imprensa, Guedes retomou a questão e disse que era a primeira vez que a Caixa devolvia recursos ao Tesouro. Essa devolução permitirá o abatimento da dívida pública brasileira.

O ministro da Economia disse ainda que todos os bancos públicos com instrumentos híbridos de capital e dívida estão trabalhando para antecipar o pagamento à União. 

"Está todo mundo trabalhando com o mesmo objetivo (de devolver recursos de bancos à União). Todos os bancos que têm instrumento de dívida estão fazendo dever de casa", afirmou Guedes, após se reunir com os presidentes do BNDES, Caixa e Banco do Brasil. 

De acordo com o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, há cerca de R$ 86 bilhões em instrumentos híbridos com os bancos. A Caixa tem a maior parte, entre R$ 41 bilhões e R$ 42 bilhões, BNDES tem R$ 36 bilhões, Banco do Brasil tem R$ 8 bilhões e BNB e Banco da Amazônia, cerca de R$ 1 bilhão cada.

"Estamos colocando pressão nos bancos de regiões mais ricas, não nos do Nordeste", afirmou Guedes.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".