FRIGORÍFICOS

Pecuária de MS amarga queda de 17,87% no volume de abates

Nas plantas da JBS, redução chegou a 29,5% no semestre, abrindo espaço para pequenas unidades
24/07/2017 05:00 - DA REDAÇÃO


 

A pecuária de Mato Grosso do Sul amarga queda de 17,87% no volume de abates em frigoríficos. O prolongamento da recessão econômica (que reduziu o consumo interno de carne), aliado à crise no mercado internacional, gerada após a operação Carne Fraca e intensificada após denúncias envolvendo o grupo JBS, fez com que o número de abates neste ano recuasse 1,885 milhão de animais, média registrada no primeiro semestre de 2016, para 1,548 milhão no primeiro semestre deste ano. Os dados são da Superintendência Federal de Agricultura no Estado de Mato Grosso do Sul (SFA/MS), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e correspondem a uma queda de 336,6 mil abates de um período para outro.

A maior queda, aponta o relatório, ocorreu nas unidades da JBS. No primeiro semestre deste ano, as unidades do grupo – sete das maiores em todo o Estado – abateram aproximadamente 614,7 mil animais, retração de 29,5% (257,5 mil animais a menos) em comparação ao mesmo período do ano passado, quando o número de abates chegou a 872,2 mil cabeças.

Parte desta queda se deve ao fechamento da unidade frigorífica de Coxim, no início deste ano, que abatia de sete mil a dez mil cabeças ao mês, em média. Entretanto, houve queda nos abates em boa parte das unidades.

*Leia a reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".