Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA

Número de empresas e organizações ativas no Brasil cai 0,4% em 2017

26 JUN 19 - 13h:02AGÊNCIA BRASIL

O número de empresas e outras organizações formais ativas no país chegou a 5 milhões em 2017, que ocuparam 51,9 milhões de pessoas, das quais 45,1 milhões eram assalariadas. Em comparação a 2016, houve queda de 0,4% no número de empresas e organizações formais brasileiras em atividade.

O pessoal ocupado total cresceu 1% em 2017 frente a 2016, o que significou mais 528,1 mil pessoas, enquanto o pessoal ocupado assalariado evoluiu 1,2% (550,7 mil pessoas).

Os dados constam do Cadastro Central de Empresas (Cempre), divulgado hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As organizações formais ativas incluem administração pública e entidades sem fins lucrativos. Os sócios e proprietários, que somavam 6,9 milhões de pessoas em 31 de dezembro de 2017, experimentaram redução de 0,3% em relação ao ano anterior.

Segundo explicou a analista da pesquisa do Cempre, Denise Guichard Freire, o aumento observado no pessoal ocupado total e no pessoal ocupado assalariado reverteu a tendência de queda ocorrida nos dois anos anteriores.

A sondagem mostra que de 2016 para 2017, tanto o total de salários e outras remunerações quanto o salário médio mensal subiram, respectivamente, 2,4%, e 4,9%, em termos reais, isto é, descontada a inflação do período. Os salários e outras remunerações pagos em 2017 atingiram quase R$ 1,7 trilhão, e o salário médio mensal ficou em R$ 2.848,77, ou o equivalente a três salários mínimos.

Atividades

Por atividade econômica, o comércio, no recorte reparação de veículos automotores e motocicletas, liderou em 2017, em termos de número de empresas e outras organizações (37,5%), pessoal ocupado total (21,9%), com 11,37 milhões, e pessoal ocupado assalariado (19,5%), com 8,8 milhões, caindo para a terceira posição em termos de salários e outras remunerações (12,7%).

As entidades de administração pública, defesa e seguridade social lideraram em massa salarial, com 24,4% do total, ocupando a segunda posição em pessoal assalariado (17,1%). As indústrias de transformação ocupam a segunda colocação em pessoal ocupado total (15%) e salários e outras remunerações (16,9%), detendo a terceira classificação no total de empresas (7,9%) e pessoal ocupado assalariado (16%). As atividades administrativas e serviços complementares mostraram o segundo maior percentual de empresas (9,4%).

Os maiores aumentos de pessoal assalariado foram observados em saúde humana e serviços sociais (16,6%) e em educação (8,2%), enquanto construção e outras atividades de serviço apresentaram as maiores quedas (-7,5% e -7,1%, respectivamente). Denise destacou que "houve avanço importante nas áreas de saúde e educação, onde a mão de obra feminina é mais preponderante que a masculina".

Salários médios

Em termos salariais, a pesquisa registra que os maiores salários médios mensais foram pagos pelas áreas de eletricidade e gás (R$ 7.643,38) e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (R$ 6.299,76). Esses valores ficaram 168,3% e 121,1% acima da média, segundo o Cempre. "São poucas empresas, têm um contingente de pessoas com nível (de ensino) superior e boa formação, o que acaba puxando a média para cima", disse Denise.

No outro extremo, com os menores salários médios mensais pagos em 2017, aparecem alojamento e alimentação (R$ 1.476,34), atividades administrativas e serviços complementares (R$ 1.769,79) e comércio, na seção reparação de veículos automotores e motocicletas (R$ 1.871,15). "O comércio apresenta o maior contingente de pessoas ocupadas, mas é o terceiro menor salário", comentou a analista.

A pesquisa mostra também que do total de 5 milhões de empresas e organizações formais ativas existentes no Brasil em 2017, a maior parte, ou o correspondente a 4,40 milhões, tinha até 9 pessoas ocupadas, com o menor salário médio mensal (R$ 1.544,97). Por outro lado, as empresas e organizações de maior porte, com 250 empregados ou mais, somavam apenas 19.475, mas apresentavam o maior salário médio mensal, de R$ 3.651,18. "As menores empresas estão tendo mais dificuldades de manter empregos e salários".

Sexo e escolaridade

A pesquisa revela expansão no número de homens e mulheres assalariados em 2017 (0,9% e 1,7%, respectivamente). Entretanto, o sexo masculino prevaleceu, com 55,4% do pessoal ocupado assalariado, contra 44,6% de representantes do sexo feminino. Isso se reflete nos salários médios mensais: os homens receberam R$ 3.086,00 por mês, enquanto para as mulheres o salário médio foi R$ 2.555,84 por mês, ou o correspondente, respectivamente, a 3,3 e 2,7 salários mínimos por mês.

"Por nível de escolaridade, predomina a mão de obra sem nível superior", informou Denise Guichard Freire. Observou-se que 77,4% do pessoal ocupado assalariado em 2017 não tinham nível de ensino superior e recebiam 53,5% do total de salários e outras remunerações pagas, ganhando salário médio mensal de R$ 1.971,82, equivalente a 2,1 salários mínimos/mês. Em contrapartida, somente 22,6% dos trabalhadores assalariados tinham nível superior, recebiam 46,5% do total de salários pagos, mas tinham salário médio mensal da ordem de R$ 5.832,38, que equivalia a 6,2 mínimos.

Na análise por sexo, percebe-se incremento de 5,7% nos salários das mulheres de 2016 (R$ 2.418,00) para 2017 (R$ 2.555,80) e de 4,4% nos salários dos homens (de R$ 2.955,40 para R$ 3.086,00). Por nível de escolaridade, foi apurado avanço de 3,7% para o pessoal assalariado com nível superior (de R$ 5.561,68 para R$ 5.832,38) e de 3,5% para o pessoal assalariado sem nível superior (de R$ 1.905,50 para R$ 1.971,82).

Natureza jurídica

Tomando por base a natureza jurídica das empresas e organizações formais ativas no país em 2017, constatou-se que a administração pública mostrou maiores ganhos no que se refere ao total de organizações, que cresceu 3,8%, pessoal ocupado total e pessoal assalariado (+7,3% cada), e total de salários e outras remunerações (+5,2%).

A sondagem revela ainda que o salário médio mensal em 2017, segundo a natureza jurídica, se situou em R$ 4.088,04 na administração pública, R$ 2.469,54 nas entidades empresariais e R$ 2.716,54 nas entidades sem fins lucrativos. Em todos os tipos de organizações por natureza jurídica, o salário médio mensal dos homens superou o das mulheres, sendo a maior diferença encontrada na administração pública: R$ 4.778,32 para o sexo masculino e R$ 3.606,65 para sexo feminino.

A abordagem por nível de escolaridade mostrou que o maior salário médio mensal (R$ 6.132,56) foi encontrado nos empregados das entidades empresariais com nível superior, seguindo-se a administração pública (R$ 5.764,67) e entidades sem fins lucrativos (R$ 4.780,88).

Por regiões

Os maiores salários médios foram encontrados no Distrito Federal (5,4 salários mínimos), Amapá (3,8 salários mínimos), Rio de Janeiro e São Paulo (3,5 salários mínimos cada). Os menores salários médios ficaram com a Paraíba e Alagoas (2,2 salários mínimos cada), seguidos do Ceará (2,3 mínimos).

Entre as regiões, o Sudeste se destacou em relação ao maior percentual de unidades locais (50,5%), pessoal ocupado em 31 de dezembro de 2017 (49,6% do total), pessoal ocupado assalariado (49,3%) e massa salarial (52,7%).

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados propõem liberar venda de remédios sem aval da Anvisa
ECONOMIA

Deputados propõem liberar venda de remédios sem aval da Anvisa

Ministro diz a caminhoneiros que tabela do frete será suspensa nesta segunda
ECONOMIA

Ministro diz a caminhoneiros que tabela do frete será suspensa nesta segunda

Projeto itinerante realiza negociação com inadimplentes da Capital
CAMPO GRANDE

Projeto itinerante realiza negociação com inadimplentes

Autorizada licitação de obra da ponte sobre rio Paraguai, com início em 2020
PORTO MURTINHO

Autorizada licitação de obra da ponte sobre rio Paraguai

Mais Lidas