Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PESQUISA

Número de empresas com contas atrasadas cresce 3,35% em maio, diz SPC

30 JUN 17 - 08h:06FolhaPress

O número de empresas com contas em atraso e registradas nos cadastros de devedores cresceu 3,35% em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). É a menor variação para os meses de maio desde 2011, início da série histórica. Na comparação com abril, houve uma queda de 0,16%. As informações são da Agência Brasil.

"Esse abrandamento do aumento do número de empresas negativadas, observado nos últimos meses, ocorre depois de um período de forte crescimento da inadimplência. Mesmo com o país ainda em crise, isso tem acontecido por causa da maior restrição ao crédito e menor propensão a investir, que trazem redução do endividamento", disse o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

Segundo Pinheiro, a expectativa é a de que nos próximos meses a atividade econômica se mantenha fraca e os empresários permaneçam cautelosos, devido ao cenário de grande incerteza política. "Isso deve manter o crescimento da inadimplência das empresas em patamares discretos frente à série histórica como um todo", afirmou.

De acordo com as análises do SPC Brasil e da CNDL o número de dívidas em atraso aumentou 1,04% na comparação anual, sendo o menor resultado da série histórica. Na comparação mensal, na passagem de abril para maio, a variação negativa foi de -0,22%.

Quando analisadas as regiões, o Nordeste foi a região que mais teve empresas em inadimplência, com aumento de 4,53% na comparação com maio do ano passado. Em seguida, aparecem as regiões Norte com avanço de 3,67%; Sudeste (3,40%), Centro-oeste (3,01%) e Sul (0,90%).

Entre os segmentos devedores, os que tiveram maiores altas foram serviços (6,31%) e agricultura (5,23%), seguidos pela indústria (2,72%) e empresas que atuam no setor de comércio (1,90%).

Segundo o levantamento, o maior crescimento das dívidas de pessoas jurídicas ficaram por conta das empresas do comércio (6,17%), seguidas das indústrias (5,50%). O segmento de serviços (que engloba bancos e financeiras) teve queda de -0,44%. O segmento de agricultura registrou recuo de -16,16%.

O levantamento leva em conta as informações disponíveis na base de dados do SPC Brasil e da CNDL sobre a capitais e interior das 27 unidades da federação.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

"Concorrência pressiona aumento na bomba", afirma Sinpetro
REAJUSTE COMBUSTÍVEIS

"Concorrência pressiona aumento", afirma Sinpetro

Empresários defendem que preço precisa cobrir custos de transporte
PREÇO TABELADO

Preço mínimo do frete tem que cobrir custos de transporte

MINISTRO DA ECONOMIA

Plano de Guedes para gás mais barato encontra resistência na Petrobras

Ele tem prometido dar um "choque de energia barata"
Em MS, 212,5 mil contribuintes ainda não declararam Imposto de Renda
ÚLTIMOS DIAS

Em MS, 212,5 mil contribuintes ainda não declararam Imposto de Renda

Mais Lidas