Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

Celulose

Mato Grosso do Sul tem 200 mil
hectares de florestas sem destino certo

Excesso de oferta de eucalipto e atraso em projeto de fábrica impactam o setor

21 AGO 2017Por Renata Prandini07h:00

O que foi visto como alternativa para os baixos preços da pecuária de corte no passado, hoje, pode tirar o sono dos produtores rurais que optaram pela silvicultura em Mato Grosso do Sul. O alerta é para aqueles que investiram no plantio fora do raio de atuação das fábricas de celulose instaladas em Três Lagoas. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e da Agricultura Familiar (Semagro), estima-se que Mato Grosso do Sul tenha cerca de 200 mil hectares de florestas plantadas  que podem ficar ociosas. 

O excedente se deve à corrida do eucalipto, iniciada em 2008, quando da instalação das fábricas de celulose e papel, hoje Fibria e International Paper, e intensificada com a chegada da Eldorado Brasil ao mercado. Atualmente, estima-se que o Estado tenha atingido o total de um milhão de hectares de florestas plantadas. 

“Quando a Eldorado entrou [sem ter floresta suficiente], saiu comprando de forma agressiva. Mas, devagar, ela foi arrendando terras próximas, o que é natural para setor. O raio é de 110 quilômetros de distância da fábrica, no máximo. Hoje, nós temos florestas espalhadas por todo o Estado, que podem ficar ociosas. Por isso, precisamos que saia a segunda linha de produção da Eldorado Brasil”, destacou o secretário da pasta, Jaime Verruck.

Reportagem completa está na edição de hoje do Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também