EMPREGO

Mercado de trabalho gera 2,6 mil novas vagas em abril em MS

No acumulado do ano, já são 13.357 novos postos de trabalho no Estado
24/05/2019 15:00 - EDUARDO MIRANDA


O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira (24) pela Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia, indica a geração de 2.661 novos postos de trabalho em Mato Grosso do Sul no mês de abril deste ano. No período, foram 21.953 pessoas admitidas formalmente, e outras 19.292 trabalhadores desligados de suas funções. No acumulado do ano, 13.357 novas vagas foram geradas no Estado. Em todo o Brasil, foram 129,6 mil novas vagas formais. 

No mês passado, o setor de serviços foi o responsável pelo bom desempenho do mercado de trabalho, com 1.250 novas vagas. A área de transporte e comunicações, sozinha, foi responsável por um saldo positivo de 669 novos postos. Serviços médicos, odontológicos e veterinários, tiveram saldo positivo de 258 vagas. A indústria de transformação, puxada pela indústria química, farmacêutica e veterinária, gerou 562 novas vagas, e o setor agropecuário, outras 445 novos postos de trabalho. 

No corte por municípios, o destaque vai para Dourados, que apresentou um saldo positivo de 486 novas vagas, superior ao de Campo Grande, que gerou 321 novos postos de trabalho. Em Naviraí, os números também foram expressivos, 261 vagas a mais. 

O destaque negativo fica para Três Lagoas, cidade com um saldo negativo de 223 postos de trabalho. Vale lembrar que no mês passado, a Mabel, indústria alimentícia anunciou o encerramento das operações na cidade.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".