Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ENERGIA ELÉTRICA

Menos da metade das famílias cadastradas conseguem tarifa social

Falta de informação sobre os direitos afeta 171,4 mil famílias no Estado

13 FEV 19 - 18h:31ALINE OLIVEIRA

Durante a audiência realizada nesta quarta-feira (13), na Assembleia Legislativa, os parlamentares tiveram oportunidade de pedir esclarecimentos para a diretoria da Energisa, representada pelo presidente, Marcelo Vinhaes. O deputado estadual Barbosinha (DEM) levantou o questionamento sobre o número de famílias de Mato Grosso do Sul que tem direito a tarifa social. No total são 171.487 mil famílias que representam 500 mil pessoas. 

No entanto, o parlamentar explicou que encaminhou um requerimento a Energisa para saber quantas famílias utilizam o benefício e ficou surpreso com os resultados. "A titulo de exemplo, em Campo Grande, 90 mil famílias tem direito à tarifa social, no entanto, 40 mil estão cadastradas na Energisa. Em Dourados é parecida a situação, pouco mais de 7 mil familias utilizam quando 17.778 poderiam pagar menos pelo serviço", reforça. 

O parlamentar perguntou ao presidente da Energisa se a empresa recebe o subsídio do governo federal (pelo desconto fornecido na tarifa social) de pessoas que ainda não conseguiram acesso ao pagamento diferenciado. "Não teria como a Energisa detectar este público? E ainda, a empresa recebe o subsídio mesmo que estas pessoas não façam parte do banco de dados da concessionária?", questionou.

Vinhaes destacou que a empresa não tem acesso ao banco de dados, e que o mesmo tem que ser atualizado pelas prefeituras municipais, através do Número de Identificação Social (NIS). "Não temos como identificar essas pessoas e temos todo interesse em beneficia-las, por isso contamos com apoio do poder público, no sentido de atualizar a base de dados. Também não recebemos subsídio por pessoas que não sejam beneficiadas", explicou. 

PEDIDO DE AJUDA

Entre as pessoas que acompanharam a audiência pública, a dona de casa, Neusa de Jesus Rodrigues, 65 anos, era uma das que aguardava uma definição sobre o aumento na tarifa de energia. Moradora no conjunto residencial Reinaldo Busanelli, no Jardim Centro-Oeste, fez questão de ir no Parque dos Poderes para entender porque a conta de energia subiu tanto. 

"Na minha casa moro eu e meu esposo que é aposentado. Ele recebe um salário mínimo e eu apesar de estar doente não consigo me aposentar. As contas subiram nos últimos meses de R$ 150 para R$ 200 reais e não temos condições de pagar. Meu marido chega a passar mal quando chega a tarifa", desabafa. 

Conforme informado por dona Neusa, o casal foi beneficiado com um apartamento do projeto Minha Casa, Minha Vida, executado pela Agência Municipal de Habitação de Campo Grande (Emha). Ela conta que a parcela da prestação é R$ 41 reais, mas, a água e energia elétrica são motivo de preocupação todos os meses. "Vim em busca ajuda e informação para verificar se consigo me cadastrar nesta tarifa social, porque a situação está ficando cada vez mais difícil", acrescenta.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados
VERBA EXTRA SOB AMEAÇA

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados

PLATAFORMA DIGITAL

Resgate eletrônico de depósitos judiciais chega a 12 estados

BRASIL

Após ser criticado, governo recua de decisão de excluir 17 ocupações do MEI

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro
PREPARE O BOLSO

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião