Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PNAD

Mato Grosso do Sul tem a segunda menor taxa de desempregados do País

Estado fechou o terceiro trimestre com 108 mil desempregados
19/11/2019 18:03 - GLAUCEA VACCARI


Mato Grosso do Sul fechou o terceiro trimestre deste ano com 108 mil pessoas desempregadas, o que corresponde a uma taxa de desocupação de 7,5%, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta segunda-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A taxa do Estado é a segunda menor do País, atrás apenas de Santa Catarina, com 5,8%.

Conforme o IBGE, na comparação com o trimestre anterior, houve queda de -0,7%, o que significa que 12 mil pessoas que estavam desocupadas foram inseridas no mercado de trabalho. Já no comparativo com o mesmo trimestre de 2018, a taxa de desocupação se manteve estável, com aumento de 0,4%.

Com relação ao nível de ocupação, MS chegou a 61,3%.

O rendimento médio real habitual de todos os trabalhos das pessoas ocupadas no período foi estimado em R$ 2.274,00 de julho a setembro. Este resultado apresentou estabilidade tanto em relação ao trimestre anterior (R$ 2.323,00), quanto em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.357,00).

Mato Grosso do Sul tem ainda 36 mil pessoas em situação de desalento, ou seja, este contigente não procura emprego por acreditar que não conseguiriam uma vaga, por exemplo.

Também no Estado, a taxa composta de subutilização da força de trabalho, que inclui o percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada, foi de 16,3%, o que representa 246 mil pessoas.

No setor privado, são 636 mil trabalhadores, sendo que deste total, 466 mil dos empregados tinham carteira de trabalho assinada e 169 mil não tinham carteira assinada. Estes percentuais se mantiveram estáveis em relação ao trimestre anterior e ao mesmo trimestre de 2018. Em relação ao tempo de procura, no estado, 16,7% dos desocupados estavam há menos de um mês em busca de trabalho; 57,1%, de um mês a um ano; 9,9%, de um ano a dois anos e 16,3% há dois anos ou mais.

A taxa de desocupação no total do País no terceiro trimestre de 2019 foi de 11,8%, ante 12,0% no segundo trimestre. No terceiro trimestre do ano passado, a taxa de desocupação era de 11,9%. As  maiores taxas foram observadas na Bahia (16,8%), Amapá (16,7%) e Pernambuco (15,8%). Os menores resultados ocorreram em Santa Catarina (5,8%), Mato Grosso do Sul (7,5%) e Mato Grosso (8,0%).

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...