Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

EMPREGOS

Mato Grosso do Sul tem a 2ª menor taxa de desempregados do País

Levantamento do IBGE aponta que Estado registrou 108 mil desocupados no trimestre

19 NOV 19 - 19h:00SÚZAN BENITES

Mato Grosso do Sul registrou 108 mil pessoas desempregadas no terceiro trimestre de 2019. Apesar disso, a taxa de desocupação medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) recuou de 8,5 no trimestre de abril a junho para 7,5% no trimestre de julho a setembro. Que significa uma redução de 12 mil pessoas da população desempregada. 

O Estado possui a segunda menor taxa de desocupação do país, atrás apenas de Santa Catarina (5,8%). Em relação ao mesmo trimestre de 2018, a taxa se manteve estável, com aumento de 0,4 ponto percentual. No Brasil, em relação ao trimestre anterior, a taxa recuou em São Paulo (-0,8 p.p.) e aumentou em Rondônia (1,5 p.p.), demonstrando estabilidade nas demais 25 unidades da federação. 

O nível de pessoas ocupadas em Mato Grosso do Sul chegou a 61,3%, percentual que diminuiu tanto em relação ao trimestre anterior (-0,9 p.p) quanto ao mesmo trimestre de 2018 (-1,2 p.p). Ainda no terceiro trimestre, a taxa composta de subutilização da força de trabalho (percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada) foi de 16,3%, o que representa 246 mil pessoas. Maranhão (41,6%) e Piauí (41,1%) apresentaram as maiores taxas do País, e as menores eram encontradas em Santa Catarina (10,6%), Mato Grosso (14,7%) e Rio Grande do Sul (16,3%).

Neste trimestre, o número de pessoas que desistiram de procurar emprego (desalentados) foi de 36 mil para pessoas com 14 anos ou mais. Já o percentual de pessoas desalentadas na população na força de trabalho ampliada foi de 2,4% e se manteve estável com o trimestre anterior e com o mesmo trimestre de 2018.

Considerando o setor privado do Estado, são 636 mil trabalhadores, sendo que deste total, 466 mil (73,4%) dos empregados tinham carteira de trabalho assinada e 169 mil não tinham carteira assinada (26,6%). Estes percentuais se mantiveram estáveis em relação ao trimestre anterior e ao mesmo trimestre de 2018.

Já em relação ao tempo de procura, 16,7% dos desocupados estavam há menos de um mês em busca de trabalho; 57,1%, de um mês a um ano; 9,9%, de um ano a dois anos e 16,3% há dois anos ou mais.
Ainda considerando o 3º trimestre de 2019, o rendimento médio real (de todos os trabalhos) das pessoas ocupadas, foi estimado em R$ 2.274,00. Este resultado apresentou estabilidade tanto em relação ao trimestre imediatamente anterior (R$ 2.323,00), quanto em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.357,00).

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ANÁLISE

Aumento do trabalho por conta própria está relacionado a aplicativos

VETO

Governo recua e não vai mais distribuir 100% do lucro do FGTS com trabalhadores

MERCADO FINANCEIRO

Dólar fecha abaixo de R$ 4,10 pela primeira vez em mais de um mês

Suzano instalará mais uma fábrica de celulose em Mato Grosso do Sul
RIBAS DO RIO PARDO

Suzano instalará mais uma fábrica de celulose em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião