Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OBRA BILIONÁRIA

Justiça Federal libera venda
da fábrica UFN3, em Três Lagoas

Foram investidos mais de R$ 3 bilhões e construção não foi finalizada

9 JUN 17 - 04h:00RENATA PRANDINI

A Justiça Federal liberou a venda da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN-III) de Três Lagoas.

Conforme comunicado da Petrobras, decisão do juiz da 1ª Vara de Três Lagoas, de segunda-feira (5), suspendeu, até o dia 11 de setembro deste ano, a ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal que determinava a retomada das obras de implantação da fábrica por parte da estatal e que proibia a venda da fábrica.  

A planta estava com 80% das obras concluídas, em um investimento aplicado de mais de R$ 3 bilhões. Esse abandono do projeto depois de alto investimento, paralelamente à notícia de venda do ativo, motivou a ação civil pública, segundo o Ministério Público Federal.

“O desperdício de patrimônio público, ocasionado pela demora no término das obras, atinge não só a esfera federal, mas também o patrimônio da própria empresa, que despendeu recursos para a realização da obra, bem como em virtude da degradação do tempo e das intempéries climáticas, que ocasionam depreciação na construção”, afirmou o MPF na época.

“Foi também revogada a decisão que determinou que a companhia se abstivesse de negociar ou alienar o referido empreendimento”, divulgou a Petrobras. 

A intenção de se desfazer da planta de fertilizantes foi anunciada no segundo semestre do ano passado, quando a estatal divulgou o Plano de Gestão de Negócios (PNG).

O processo de desinvestimento havia sido barrado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), sendo aprovado com ressalvas em março. Embora não esteja no pacote de desinvestimentos inicial, a expectativa é de que a decisão acelere o processo de venda do ativo. 

As obras da unidade de fertilizantes foram iniciadas em 2011, com a promessa de construção da maior planta da América Latina. O projeto, no entanto, foi paralisado há mais de dois anos, quando a estatal rompeu contrato com o consórcio, composto pelas empresas Galvão Engenharia, alvo de investigações na Lava Jato, e a chinesa Sinopec Petroleum do Brasil. 

Estima-se um investimento de R$ 800 milhões para concluir o projeto e pelo menos dois grupos estariam interessados. Um deles é composto por empresas chinesas e liderado pela Sinopec Petroleum, que fazia parte do consórcio anterior. O outro interessado é a multinacional Yara, da Noruega.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Infraero cobrará antecipadamente tarifa de operação de voos da Avianca

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita
OPERAÇÃO PANDORA

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos
DESENVOLVIMENTO LOCAL

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos

Ministério do Trabalho investigará demissão em massa na Mabel
TRÊS LAGOAS

MPT investigará demissão em massa na Mabel

Mais Lidas