Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

Operação Greenfield

Justiça aceita denúncia contra
ex-tesoureiro do PT e lobista

Operação apura crimes envolvendo fundos de pensão de empresas estatais

29 MAI 2017Por Último Segundo17h:05

A Justiça Federal no Distrito Federal aceitou denúncia contra o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o lobista Milton Pascowitch e mais 12 pessoas investigadas na Operação Greenfield . A operação apura crimes envolvendo fundos de pensão de empresas estatais que resultaram no desvio de mais de R$ 400 milhões. 

Conforme decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do DF, além de Vaccari e Pascowitch, também se tornam réus na Operação Greenfield oito pessoas ligadas à Funcef (Fundação dos Economiários Federais): Demósthenes Marques, Carlos Alberto Caser, José Carlos Alonso Gonçalves, Guilherme Narciso de Lacerda, Luiz Philippe Peres Torelly, Antônio Bráulio de Carvalho, Geraldo Aparecido da Silva e Sérgio Francisco da Silva.

A lista de réus também inclui Gerson de Mello Almada, ex-vice-presidente da construtora Engevix , e os sócios da empreiteira Cristiano Kok e José Antunes Sobrinho. Roberto Carlos Madoglio, ex-superintendente nacional dos Fundos de Investimentos Especiais da Caixa, completa a lista de denunciados.

De acordo com a denúncia apresentada pela força-tarefa da Greenfield, entre setembro de 2009 e agosto de 2010, parte dos investigados agiu de forma fraudulenta junto ao Funcef para permiritr o aporte de R$ 260,6 milhões do Fundo de Pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal em favor da Cevix Energias Renováveis S/A, empresa controlada pela Engevix.

Ainde de acordo com as investigações, Milton Pascowitch e João Vaccari Neto teriam procurado executivos da Engevix no período em que ocorreram os aportes do fundo de pensão para a construtora para solicitar R$ 5,9 milhões para o Partido dos Trabalhadores (PT).

"Tais pagamentos foram realizados de forma dissimulada, a fim de ocultar a natureza ilícita dos recursos pagos", descreve a denúncia, conforme relato do juiz Vallisney.

Os réus terão prazo de dez dias para apresentar respostas às acusações e indicar testemunhas de defesa para serem ouvidas no processo.

Além do fundo de pensão de funcionários da Caixa, a Operação Greenfield também apura irregularidades envolvendo os fundos Petro (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios).

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também