Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Iniciativa privada garante <br>1,8 mil vagas na construção civil

Emprego no setor foi mantido graças a obras privadas
19/12/2017 04:00 - DA REDAÇÃO


 

O emprego na construção civil de Campo Grande está sobrevivendo graças à iniciativa privada. Se 2017 tem sido considerado um ano de incerteza para retomada de investimentos na construção civil, a abertura de postos de trabalho também é outro desafio para o setor.

“Temos amargado queda de postos de trabalho em razão da recessão econômica do governo federal, que não investe no setor e mantém obras paralisadas, além da inibição das obras do programa Minha Casa Minha Vida. Mesmo assim, no setor privado o ano não foi tão ruim em fechamento de vagas quanto no público”, avalia José Abelha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção e Mobiliário de Campo Grande (Sintracom-CG). 

Conforme estimativa da entidade, ao menos sete empreendimentos, lançados por três construtoras, estão gerando em torno de 1,8 mil empregos na Capital.

“Algumas empresas retomaram empreendimentos e outras iniciaram novos. A perspectiva para 2018, ano de eleição, é de que a partir de março dê uma melhorada. Há uma expectativa de lançamento de obras e que novos recursos sejam injetados na construção civil”, afirmou.

De acordo com os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, a construção civil encerrou o mês de outubro com saldo negativo em Campo Grande, totalizando 203 empregos extintos. O resultado foi verificado mesmo com a Capital liderando a geração de empregos no período no Estado – o saldo foi positivo em 574 vagas. 

*Leia reportagem, de Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

 

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.