Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CAMPO GRANDE

Inflação atinge 0,51%, maior índice para julho em sete anos

No ano, o custo de vida acumula alta de 7,24%, acima do teto da meta do governo federal, de 6,5%

6 AGO 15 - 00h:00DA REDAÇÃO

Inflação fechou em 0,51% no mês de julho em Campo Grande, o mais alto índice para o período em sete anos. A alta, motivada principalmente pelo aumento da taxa de água e esgoto na Capital (média de 8,21%) e dos preços de alimentos, com destaque para o peixe fresco e os cortes de carne bovina, poderia ter sido ainda mais expressiva, mas foi balanceada pela queda nos valores dos combustíveis, em decorrência das promoções do etanol e da gasolina e da redução do ICMS do diesel incentivada pelo governo estadual, segundo o coordenador do Núcleo de Pesquisas Econômicas da Anhanguera-Uniderp, Celso Correia de Souza.

“O grupo transporte [no qual está inserido o custo dos combustíveis] contribuiu com 0,35% a menos para a inflação em Campo Grande no mês de julho. Fosse o contrário, o IPC seria de 0,84%, praticamente a inflação da Fipe [Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas], em São Paulo, que não teve esse alívio em transportes no mês passado e chegou a 0,85%”, comparou. 

Mesmo considerado o impacto atípico, em função do reajuste da taxa de água e esgoto, o pesquisador avalia que a inflação mensal em Campo Grande deve ficar entre 0,50% e 0,60% até o fim do ano, por conta de fatores como o fim das promoções dos combustíveis e a tendência de alta dos alimentos, impulsionada pela carne bovina. 

*A reportagem, de Daniella Arruda, está na edição de hoje do Jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bares venderão cervejas pela metade do preço no Dia sem Imposto
RUA JOSÉ ANTÔNIO

Bares venderão cervejas pela metade do preço na quinta

Conta de luz volta a ficar <br>mais cara no mês que vem
REAJUSTE

Conta de luz volta a ficar mais cara no mês que vem

Desemprego e queda de consumo derrubam índice de inadimplência
COMÉRCIO

Queda de consumo derruba índice de inadimplência

ORÇAMENTO

Governo reduz contingenciamento e libera R$ 1,588 bilhão para o MEC

Mais Lidas