Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SERASA

Inadimplência atinge mais de 25% das empresas ativas em Mato Grosso do Sul

No Estado, 53,9 mil pessoas jurídicas estão com as contas no vermelho, 1,1% do total do País
26/03/2017 04:30 - PAULA VITORINO


 

Mais de 25% das empresas ativas em Mato Grosso do Sul começaram o ano com as contas no vermelho. São 53,9 mil CNPJs com dívidas, o que corresponde a 1,1% dos 4,9 milhões de empreendimentos endividados no País. Os dados são de levantamento feito pela Serasa Experian em janeiro deste ano. No primeiro mês de 2017, de acordo com relatório da Junta Comercial sul-mato-grossense (Jucems), eram 212.331 empresas ativas no Estado. 

A crise financeira que atinge todo o País nos últimos anos é fator relevante para a situação de endividamento das empresas, implicando em queda nas vendas, aumento da inadimplência dos clientes e dificuldades de acesso ao crédito, segundo especialistas da área econômica. “Tudo isso leva a inadimplência das empresas para patamares recordes”, alerta o relatório da pesquisa.

O levantamento da Serasa ainda mostra que nos últimos dois anos houve crescimento de 28,95% no número de empresas negativadas no País. Em março de 2015, eram 3,8 milhões de CNPJs. Na pesquisa mais recente, de janeiro, o valor das contas não pagas a nível nacional é de R$ 112,7 bilhões, média de R$ 23,1 mil por empresa devedora. Dos 4,9 milhões empreendimentos endividados, São Paulo tem a maior parcela, de 32,1%, em seguida está Minas Gerais (11,2%) e Rio de Janeiro (8,1%). 

(*) A reportagem completa está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!