Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

medida da união

Imposto aumenta preço da gasolina
em R$ 0,41 nas bombas

Ministro da Fazenda defendeu medida e a classificou de 'necessária'

20 JUL 17 - 16h:59FOLHAPRESS

Com o aumento do PIS/Cofins assinado em decreto nesta quinta-feira (20), o litro da gasolina poderá ficar até R$ 0,41 mais caro nas bombas.

O governo anunciou que vai dobrar a alíquota do imposto que incide por litro do combustível, de R$ 0,38 para R$ 0,79. O PIS/Cofins pago pelo distribuidor de etanol, hoje zerado, vai a R$ 0,19. O litro do diesel poderá ficar R$ 0,22 mais caro, já que alíquota subirá de R$ 0,24 para R$ 0,46.

O governo informou que espera arrecadar R$ 10,4 bilhões neste ano com o aumento de imposto. Além disso, o Ministério da Fazenda informou que vai bloquear mais R$ 5,9 bilhões em despesas do Orçamento.

Pouco antes de viajar para Mendoza, na Argentina, onde acompanhará o presidente Michel Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, declarou que a medida será necessária pela queda da arrecadação.

"Houve queda da arrecadação, pelo resultado das empresas e também do setor financeiro, que refletiram os prejuízos acumulados nos últimos dois anos que estão sendo amortizados neste ano", disse. "Existem medidas de ajuste, fazendo com que o mais importante seja preservado".

Ele afirmou que o relatório bimestral de receitas e despesas, onde o governo detalha sua programação orçamentária, sairá nesta sexta (21).

Meirelles declarou ainda que o Brasil crescerá no segundo semestre. "O Brasil de fato vai recuperar seu crescimento. Nossa expectativa é que haja crescimento no segundo semestre".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias recua pelo quarto mês, diz CNC

Prefeitura da Capital fica mais longe do limite prudencial da LRF
GASTOS COM PESSOAL

Prefeitura da Capital fica mais longe
do limite prudencial da LRF

BRASIL

Mansueto: mesmo com reforma, governo não retomará investimentos por 3 ou 4 anos

ECONOMIA

Portaria regulamenta revisão de benefícios do INSS

Mais Lidas