INTERESTADUAIS

ICMS reduzido para gado<BR> aquece atividade pecuária

Alíquota caiu de 12% para 7%, o que melhorou mercado interno de MS
22/08/2017 04:00 - DA REDAÇÃO


 

A redução da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 12% para 7% para operações interestaduais do gado em pé aumentou as vendas do boi e ajudou a reaquecer o setor em Mato Grosso do Sul.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), em julho, mês em que a medida emergencial entrou em vigor, foram registradas 44 mil operações de venda de gado vivo para abate em estados vizinhos.

O volume é 120% superior às operações registradas no mês anterior, antes da medida: em junho, elas fecharam em 20 mil cabeças de gado comercializadas, aproximadamente.

Para o presidente da Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrisul), Jonathan Barbosa, o resultado superou as expectativas do setor. “No mês passado, foram mais de 44 mil cabeças vendidas.

Em julho do ano passado, segundo dados oficiais, quando não tinha a redução da alíquota, havia saído no máximo 12 mil cabeças do nosso Estado. E esse resultado é só dos primeiros 30 dias, nós temos mais 60 até o término da redução. A Acrissul se sente bastante recompensada com essa decisão.

Em um momento de crise, o governo fez uma redução de alíquota. Com isso, todo mundo ganha, o governo do Estado, que, mesmo com a redução, arrecada mais, uma vez que aumentam as operações, o produtor rural e o consumidor, que recebe gado de qualidade”, destacou o presidente da instituição.

*Leia reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".