Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

APÓS PROTESTOS

Governo paraguaio revoga lei que permitia entrada de caminhões bitrem brasileiros

Liberação, no início do ano passado, havia sido comemorada pelo governo do Estado

8 JAN 19 - 14h:16RENATA PRANDINI

Depois de pouco mais de um ano da liberação da circulação dos caminhões bitrens brasileiros por rodovias paraguaias, o Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai revogou, na segunda-feira, a resolução que permitia a entrada dos veículos. A medida oficializa uma suspensão que vinha depois de protestos organizados por caminheiros locais, conforme informações da agência de notícias EFE. Para Mato Grosso do Sul que enviava soja até o porto de Concepcion a saída será buscar novas rotas para escoamento via hidrovia, que poderão ser por porto de Murtinho ou mesmo Ladário. 

O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico Jaime Verruck, afirmou ontem que ainda que não havia sido comunicado oficialmente a respeito da suspensão. No entanto, ele lembrou que o governo paraguaio fez investimentos elevados no porto de Concepcion visando a exportação de soja brasileira pelo rio Paraguai, principalmente soja sul-mato-grossense.  Na época foi feito um acordo com o governo paraguaio para que as carretas bitrens pudessem operar na rota Pedro Juan Caballero até Concepcion, pela Ruta 5, que receberia investimentos para permitir o tráfego de caminhões, e essas negociações envolviam, inclusive, os transportistas paraguaios. “Isso viabilizaria o porto de Concepcion.

Mas a partir do momento em que ocorre a suspensão, seja por qualquer motivo, questão de transporte local ou questão de estrutura de rodovias, fica praticamente inviável a exportação de soja por Concepcion. Hoje temos as opções de Porto Murtinho, que recebe investimentos, e Ladário. Concepcion seria mais uma alternativa”, afirmou. 

A revogação ocorreu pouco antes do fim do prazo de um ano da suspensão que Horacio Cartes, ex-presidente do país, acertou com as transportadoras, que organizaram protestos contra a circulação no país desse tipo de caminhão (com dois semirreboques), especialmente os vindos do Brasil. Pela decisão anterior, só estava autorizada a circulação de caminhões brasileiros que transportavam soja pelo corredor entre a cidade de Pedro Juan Caballero, fronteira com Ponta Porã, até o porto de Concepción, a cerca de 215 quilômetros da fronteira. Porém, apesar da restrição, a categoria de caminhoneiros entendeu que a entrada dos bitrens carregados com soja representaria o início de um movimento maior, o que atingiria o poder de competição do mercado local. Em nota publicada pelo governo, o presidente da Federação de Caminhoneiros do Paraguai, Ángel Zaracho, disse que o governo cumpriu a promessa de proibir a circulação de bitrens. “(O governo) deixou sem efeito a resolução que permitia esse tipo de veículos de grande porte em nosso território, gerando assim uma concorrência desleal para os caminhoneiros locais”, afirmou à EFE.

Além da questão de mercado apontada pelos caminhoneiros, o tráfego de caminhões pesados do tipo bitrem é proibido em todo território paraguaio também devido ao impacto que esses veículos poderiam causar na malha viária. A autorização de janeiro do ano passado era em caráter experimental e se restringia ao transporte de cargas do Brasil até o Porto de Concepción e no sentido contrário. 

Medidas

Verruck lembrou ainda que no Brasil, a maioria das operações são feitas por bitrem. Portanto, teria que fazer um transbordo na fronteira para os caminhões paraguaios – que não são bitrens – e isso gera um custo logístico que inviabilizaria a rota por Concepcion. “Vamos entrar em contato com o governo paraguaio, junto com os transportistas do Estado, as empresas que estavam envolvidas nessa operação, para que se faça uma discussão do porquê dessa proibição. Lembrando que a operação via Concepcion favorece muito mais o Paraguai do que o Brasil. Nós temos outras alternativas para transportar a soja pelo rio Paraguai.

Essa tratativa obedecia uma lógica de potencializar a hidrovia, dentro de uma parceria com o governo paraguaio, considerando o elevado investimento que eles fizeram no porto de Concepcion”, frisou.

EXPORTAÇÃO

Quando assinada, em 17 de janeiro do ano passado, a resolução liberando a exportação de soja  foi comemorada pelo governo do Estado. A expectativa era de exportar pelo menos um milhão de toneladas da soja produzida em Mato Grosso do Sul pelo Porto de Concepción, no Paraguai. Um dos pontos positivos destacados pela a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semagro), na época, estava a potencialização das operações de exportação de soja pela hidrovia Paraguai-Paraná, além  de representar uma nova rota de exportação de soja do Centro-Oeste brasileiro para a Argentina. O porto paraguaio era visto como uma segunda opção caso o de Porto Murtinho atingisse sua capacidade máxima de embarque. 

* Matéria alterada às 18h08 para acréscimo de informações.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Dólar tem maior queda em quase dois meses e bolsa bate recorde
ECONOMIA

Dólar tem maior queda em quase dois meses e bolsa bate recorde

Gás de cozinha fica R$ 5 mais mais caro em Mato Grosso do Sul
CUSTO DE VIDA

Gás de cozinha já está R$ 5 mais caro em Mato Grosso do Sul

Saques do FGTS movimentam <br>R$ 14,3 milhões em dois dias
ECONOMIA

Saques do FGTS movimentam
R$ 14,3 milhões em dois dias

Gás é reajustado pela Petrobras e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS
BOTIJÃO DE 13 QUILOS

Gás de cozinha terá aumento e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião