Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

INTEGRAÇÃO

Governo paraguaio anuncia pavimentação de 678 km da Rota Bioceânica

Projeto deverá ser concluído em três anos e vai custar R$ 3,4 bilhões

28 AGO 2017Por MARESSA MENDONÇA12h:00

Ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Didier César Olmedo Adorno anunciou que o país vai investir R$ 3,4 bilhões na obra de pavimentação de 678 km de tronco rodoviário da Rota Bioceânica, da qual também fazem parte Brasil, Chile, Argentina. O projeto deverá ser concluído em três anos. A verba sairá de uma aliança do governo paraguaio com o setor privado.

Esse novo tronco logístico vai encurtar em 8 mil quilômetros o passeio dos produtos da região para a Europa e Ásia. Sem o asfalto do lado paraguaio, que cortará o Chaco, de Carmelo Peralta a Pozo Hondo, na fronteira com a Argentina, o projeto de integração comercial entre os quatro países não se concretizará.

“Já licitamos o primeiro trecho, de Carmelo Peralta (fronteira com Porto Murtinho) e Marechal Estigarribia, de 277 km”, explicou o ministro, acentuando que a obra vai exigir mais de 60% dos recursos previstos devido sua complexidade. Isto porque vai passar pelo Pantanal (Chaco) paraguaio.

Quatro empresas, de origem portuguesa, chilena, brasileira e argentina, disputam o leilão para executar o projeto. O segundo trecho, de 401 km, ligará Estigarribia a Pozo Hondo.

A declaração do ministro foi dada durante reunião com empresários da maior cooperativa de derivados de carne e leite do Chaco e ganhou repercussão com a divulgação da Carta Loma Plata (província paraguaia). “Estamos concluindo até dezembro o projeto da segunda fase e em três anos vamos comemorar aqui essa conquista”, declarou Olmedo.

O coordenador de Assuntos Econômicos do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, João Carlos Pakinson de Castro também esteve no encontro e, na ocasião, afirmou  que a construção da ponte de concreto sobre o Rio Paraguai, entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta, também é fato consumado e depende apenas de aprovação do Congresso.

A caravana de MS também participou.

Esta é a segunda viagem da caravana aos quatro países que compõe a Rota de Integração Latino-Americana (Rila).  

A caravana iniciou o reconhecimento do corredor bioceânico por Porto Murtinho e percorrerá 6 mil km (ida e volta), chegando aos portos de Iquiqui, no Chile.

O Corredor Rodoviário Bioceânico, considerado o mais viável para as exportações da região Centro-Oeste, compreende as cidades brasileiras de Campo Grande e Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul; Carmelo Peralta, Mariscal Estigarribia e Pozo Hondo, no Paraguai; Misión La Paz, Tartagal, Jujuy e Salta, na Argentina; e Mejillones, em Iquique, no Chile.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também